Pular para o conteúdo principal

Só um minuto. A mäe tá cansada.


Eu ando cansada. Muito cansada. Percebo todos os dias ao acordar que meu corpo só queria continuar ali… esticado na cama. Custo a aceitar que esse seja um movimento normal da vida. Tenho tendência a crer que estou perdendo tempo. Mas algo tem me derrubado e antes mesmo de abrir os olhos por completo me pego listando mentalmente tudo o que pode estar sugando minhas energias. Sugestão: não faça listas mentais, elas sugam sua energia. 

Voltando às razões do meu cansaço. 

1) não tenho dormido direito há meses. Fato que Jade é o bebê mais tranquilo de todos que já tive. Não sofreu com cólica um dia sequer e se acalma facilmente no peito. Porém, dormir colada ao bebê não me proporciona um sono reparador. Faço cama compartilhada porque acho muito melhor que passar horas madrugada a dentro, de pé, embalando a criatura. Outra coisa, antes mesmo dela nascer eu já estava há tempos sem dormir bem. Barrigão sem posição, dor na lombar sem fim e falta de ar. 

2) os gêmeos insistem em acordar 7h da manhã, ou antes. Meu relógio biológico é programado para acordar a partir das 8h. Acho lindo quando isso acontece. Acordo naquele nível de felicidade em que me vejo curtindo tudo o que é mensagem de bom-dia que encontro nos perfis alheios. Falo com as pessoas pelo whatsapp mandando emoticons de solzinho e plantinha antes de começar o assunto. Sou toda luz quando acordo às 8h. Mas meus filhos, Joaquim, principalmente, adora me acordar todo fofo às 6h50 pedindo para tomar leite. 

3) zero momentos de prazer. Aqui é um ponto polêmico, eu sei. Porque uma mãe linda, loira e plena, com cinco filhos maravilhosos e cheios de saúde, vive 24h de prazer, não é mesmo? Então, não. Eu me refiro ao prazer de sentar num barzinho ou num restaurante com o marido ou com amigas e falar potoca por horas sem ficar calculando na cabeça o tanto de tempo de sono que estou perdendo. Eu falo do prazer de passar um par de horas no spa fazendo massagens e tratamentos estéticos que não funcionam ou no salão fazendo unha, cabelo e depilação. 

Sei que a ausência de tempo para essas coisas é temporária. Sei que logo, logo Jade estará maior e eu vou sentir falta dessa rotina de peito, fralda e sono. And repeat. Mas essa delícia toda cansa. E esse meu cansaço afeta relação com o marido, com os filhos, comigo mesma. Como transformar esse cansaço todo em um pequeno e insignificante detalhe desse momento especial da vida é algo que tem me deixado tão intrigada que assim que a bebê se entregou numa soneca potencialmente duradoura eu corri para o computador para escrever, desabafar, abrir espaço na mente para outros assuntos. Mas gente cansada deveria dormir, né? Vai entender...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Parto da Jade

Passei a gestação inteira dizendo que ela chegaria no mês de julho. Estratégia para aplacar a ansiedade alheia, já que doce espera sempre teve mais a ver com puta agonia pra mim. Não vou mentir, parece piada, mas não consigo curtir gravidez. Passo muito mal no início, depois fico mega prostrada, minha irritabilidade alcança níveis desumanos (pergunta lá pro marido!) e, por fim, engordo absurdamente. Não vejo graça. Lógico que tem o lado bom da coisa. Cabelos sedosos, filas preferenciais e, claro, o bebê que tá lá dentro. Quando os chutes não miram suas costelas, posso garantir, não há melhor sensação no planeta.
A DPP (data prevista pro parto), dia em que a gestação alcança 40 semanas, era 27 de junho. Eu tinha toda a fé do mundo que ela chegaria bem antes disso. Era tanto cansaço que rolava, uma impaciência tão grande da minha pessoa, que o bebê obviamente desejaria sair logo dali. Ambiente desfavorável. E eu conversava incansavelmente com a barriga sobre as vantagens de se viver aqui…

O parto dos gêmeos - Parte 3 (final)

Depois de finalizar a burocracia da internação, fomos finalmente para o quarto onde ficamos acompanhando as contrações que estavam mais ou menos de 3 em 3 minutos. E assim seguiram até 5h da manhã quando tive uma parada de progressão. Parou. Tudo. Eu não sentia mais absolutamente nada. Lembro-me bem do medo. Medo de chegar até ali e acabar morrendo na praia. Eu estava então com 5 cm de dilatação. Voltar para casa não era mais possível. "- Só sairemos desse hospital com os bebês nos braços.", falou Dra. Caren. Juan ficou super ansioso com isso! Eu e Taíza começamos a caminhar pelo hospital, subimos e descemos as escadas. Todos olhavam para nós. Eu devia ser a maluca do parto normal de gêmeos. Chamamos uma acunpunturista para fazer uma sessão de indução. Taíza deu uma saída para preparar um chá especial pra mim, tomar um banho e trazer mais óleo de rícino pra eu tomar. E nada acontecia. Eu não sentia mais nada.




Já por volta das 15h30 do dia 18/09, após 10h esperando o retorno d…

Eu sou gorda?

Eu nem sei quantas vezes devo ter feito essa pergunta à minha mãe. Nem sei se a fiz um dia. Lembro de me olhar no espelho e ter uma única certeza... eu era gorda. Aliás, era essa a única forma de me magoar com palavras (e meus irmãos sabiam bem disso, valeu galera!!). Já fiz dietas loucas, já fiquei sem comer para compensar, já chorei litros porque o espelho era mau comigo. Sofri horrores a minha infância inteira por conta da barriga. Minhas amigas sempre eram baixinhas e magrinhas... eu sempre fui grande, larga, forte. Vendo as fotos antigas nem me acho gorda. Cheinha, talvez. Mas o bullying (agora que tem nome bonito não vou deixar de usar) sofrido por anos deixou marcas que me acompanham e ainda me assombram.
Depois que me tornei mãe da Júlia meu maior medo era que ela passasse pelo o que passei.
Com 1 mês e meio de vida Júlia começou a tomar complemento, pois eu não tinha leite (e nem informação) suficiente. Ela rapidamente ganhou peso e desde então sua barriguinha se mostrou salien…