Pular para o conteúdo principal

O parto dos gêmeos - Parte 2


O primeiro encontro com a Dra. Caren foi como todos os outros que se seguiram... uma delicia! Alternávamos conversa séria a boas gargalhadas. Sentia uma intimidade no ar, como se aquele laço já estivesse previsto. Eu saia sempre feliz e confiante daquele consultório. Enfim encontrei uma médica que não me enganaria aos 45 minutos do segundo tempo.


A gravidez transcorreu na maior tranquilidade. Não tive problemas com pressão alta e nem desenvolvi diabetes gestacional, apesar do medo que tivemos pelo ganho de peso elevado - principalmente nos primeiros meses. Sentia apenas um enjôo intenso, com diversos episódios de vômito e um desconforto muito grande nas costas e no quadril, o que fez com que eu me afastasse do trabalho ainda com 5 meses de barriga. O risco era de parto prematuro e eu repetia o mantra "37 semanas" todos os dias. Só então os bebês seriam considerados a termo. Eu conversava com eles pra que esperassem o dia 08/09, que não viessem antes. O tempo foi passando, a barriga pesando, as dores judiando, a ansiedade aumentando, mas eu tentava me manter calma e concentrada nos acontecimentos do meu corpo.

Mantive a tranquilidade mesmo quando tivemos a notícia de que Juliana continuava transversa. Estávamos com 36 semanas e os planos de parir em casa caíram por terra. Existia o risco dela não virar e aí depois do nascimento do Joaquim eu teria de fazer uma cesárea (nesse caso, com indicação verdadeira). Por isso, eu precisaria já estar no hospital. Mas eu acreditava que ela iria virar e nunca desisti do parto normal. Essa ecografia também trouxe uma notícia surpreendente em relação ao peso dos bebês. Os dois estavam com mais de 3kg! De repente, o mantra virou "venham loooogo!!". O receio era por conta da distensão abdominal. O medo era do útero não aguentar a pressão das contrações, ainda mais com meu histórico de 2 cesáreas anteriores. Eles precisavam nascer.

Foi quando decidimos iniciar a indução natural. Dra. Caren conversou muito com a gente, explicou todos os detalhes de tudo o que podíamos fazer, sempre trazendo argumentos com embasamento científico para que a decisão fosse tomada por nós, conjuntamente. Respondia pacientemente todas as nossas perguntas. Era um trabalho em equipe e eu me sentia segura! Decidimos descolar as membranas pra ver se o trabalho de parto engrenava. Eu estava com o colo apagado e 1 cm de dilatação. Mas nada mudou. Fizemos isso mais duas vezes. A dilatação aumentou para 3 cm e eu comecei a perder o tampão. Mas nada mais acontecia. Lembro de chamar pelas dores! Eu tomei banho quente, caminhei, subi e desci escadas, tomei chá de canela, corri dentro da piscina, fiz acunpuntura, e tomei óleo de rícino. E nada.

Chegaram as 38 semanas e a preocupação com o tamanho da barriga só aumentava. Foi quando decidimos colocar o balão (sonda de Foley). Era uma quarta-feira, dia 17/09/2014. Lembro de estar bastante cansada, um tanto chateada. Não agüentava mais os olhares de espanto pra minha barriga, nem explicar pra estranhos que "- sim, são gêmeos". Combinei de encontrar com a Taíza à tarde. Brinco com ela que foi a ocitocina que faltava... durante nosso encontro as contrações começaram a ritmar e a ficar dolorosas. Quando ela foi embora nos despedimos com um "- até mais tarde!". E assim foi. 23h ela estava voltando pra minha casa. Dra. Caren já estava nos aguardando no hospital. (continua...)






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Parto da Jade

Passei a gestação inteira dizendo que ela chegaria no mês de julho. Estratégia para aplacar a ansiedade alheia, já que doce espera sempre teve mais a ver com puta agonia pra mim. Não vou mentir, parece piada, mas não consigo curtir gravidez. Passo muito mal no início, depois fico mega prostrada, minha irritabilidade alcança níveis desumanos (pergunta lá pro marido!) e, por fim, engordo absurdamente. Não vejo graça. Lógico que tem o lado bom da coisa. Cabelos sedosos, filas preferenciais e, claro, o bebê que tá lá dentro. Quando os chutes não miram suas costelas, posso garantir, não há melhor sensação no planeta.
A DPP (data prevista pro parto), dia em que a gestação alcança 40 semanas, era 27 de junho. Eu tinha toda a fé do mundo que ela chegaria bem antes disso. Era tanto cansaço que rolava, uma impaciência tão grande da minha pessoa, que o bebê obviamente desejaria sair logo dali. Ambiente desfavorável. E eu conversava incansavelmente com a barriga sobre as vantagens de se viver aqui…

O parto dos gêmeos - Parte 3 (final)

Depois de finalizar a burocracia da internação, fomos finalmente para o quarto onde ficamos acompanhando as contrações que estavam mais ou menos de 3 em 3 minutos. E assim seguiram até 5h da manhã quando tive uma parada de progressão. Parou. Tudo. Eu não sentia mais absolutamente nada. Lembro-me bem do medo. Medo de chegar até ali e acabar morrendo na praia. Eu estava então com 5 cm de dilatação. Voltar para casa não era mais possível. "- Só sairemos desse hospital com os bebês nos braços.", falou Dra. Caren. Juan ficou super ansioso com isso! Eu e Taíza começamos a caminhar pelo hospital, subimos e descemos as escadas. Todos olhavam para nós. Eu devia ser a maluca do parto normal de gêmeos. Chamamos uma acunpunturista para fazer uma sessão de indução. Taíza deu uma saída para preparar um chá especial pra mim, tomar um banho e trazer mais óleo de rícino pra eu tomar. E nada acontecia. Eu não sentia mais nada.




Já por volta das 15h30 do dia 18/09, após 10h esperando o retorno d…

Eu sou gorda?

Eu nem sei quantas vezes devo ter feito essa pergunta à minha mãe. Nem sei se a fiz um dia. Lembro de me olhar no espelho e ter uma única certeza... eu era gorda. Aliás, era essa a única forma de me magoar com palavras (e meus irmãos sabiam bem disso, valeu galera!!). Já fiz dietas loucas, já fiquei sem comer para compensar, já chorei litros porque o espelho era mau comigo. Sofri horrores a minha infância inteira por conta da barriga. Minhas amigas sempre eram baixinhas e magrinhas... eu sempre fui grande, larga, forte. Vendo as fotos antigas nem me acho gorda. Cheinha, talvez. Mas o bullying (agora que tem nome bonito não vou deixar de usar) sofrido por anos deixou marcas que me acompanham e ainda me assombram.
Depois que me tornei mãe da Júlia meu maior medo era que ela passasse pelo o que passei.
Com 1 mês e meio de vida Júlia começou a tomar complemento, pois eu não tinha leite (e nem informação) suficiente. Ela rapidamente ganhou peso e desde então sua barriguinha se mostrou salien…