Pular para o conteúdo principal

O parto dos gêmeos - Parte 1


Ainda na vibe do aniversário dos gêmeos (que foi há uma semana) e da atualização do blog, resolvi postar o relato do parto dos gêmeos que escrevi quando eles ainda tinham apenas 2 meses de vida fora da barriga. Decidi dividir o texto em partes para a leitura ficar mais leve, visto que caprichei nos detalhes à época! Curioso como as lembranças se perdem e como eu contaria tudo de uma maneira diferente se fosse escrever hoje...


Foto: Ana Paula Batista

Minha história não começa no dia 18/09/2014, nem 3 semanas antes quando comecei a perceber as contrações de treinamento. Minha história começa naquele dezembro de 2004, às vésperas do réveillon, quando completei 40 semanas de gestação e ouvi da médica que meu desejo pelo parto normal era um capricho perigoso. Eu já conhecia o sistema, só não pensei que o terrorismo fosse tão forte. Tive minha primeira filha, Júlia, por meio de uma cesárea completamente desnecessária.


Quase 6 anos depois, em outubro de 2010, tudo parecia estar se repetindo. Mas dessa vez com um gostinho ainda mais amargo, pois estava sendo acompanhada por um médico pelo qual me encantei anos antes, grávida da Júlia, num curso para gestantes. Ele falava muito bem do parto normal e criticava o número de cesáreas realizadas no Brasil, principalmente nos hospitais particulares. Com o dom da oratória, ele ganhou meu coração! Mas às 39 semanas da espera pela Joana... tive mais um parto roubado, mais um sonho destruído. A agenda dele estaria disponível apenas naquele domingo, depois seria difícil me acompanhar.

Queria ser dessas mulheres que tem forças pra lutar contra o sistema e mudar de médico no final da gravidez ou arriscar o plantonista quando o trabalho de parto engrenasse. Mas não sou assim. Sabia que se eu tivesse outro filho teria de buscar a equipe certa para realizar meu sonho. E assim foi quando fiz o exame de sangue que confirmou minha suspeita depois de um enjôo matinal e me descobri grávida novamente!

O primeiro anjo com quem tive contato foi Taíza Nóbrega, a doula (indicação da minha BFF Luíza a quem sou eternamente grata - por essa e por outras). Conversamos um pouco sobre minha história pelo facebook e a sintonia foi imediata! Nessa conversa, ela me explicou a importância de ter um médico obstetra que realmente defendesse o parto normal, natural e humanizado, como eu desejava. Pois no meu caso - 2 cesáreas prévias - era ainda mais difícil não cair nas armadilhas do sistema. Foi quando ela me indicou a Dra. Caren Cupertino, o segundo anjo.

Foto: Ana Paula Batista

Consegui marcar minha consulta para 1 mês depois e com 12 semanas fiz minha primeira ecografia. Surpresa!!!!! "- São dois", disse o médico nada simpático. E depois disso quase fui expulsa da sala de exames porque gritei com o moço do jaleco impecável "- VOCÊ TÁ DE SACANAGEM?!!!!". Enfim, o terceiro filho veio também com o quarto! E eu que estava me achando uma mãe super experiente, escolada... me vi diante de mais uma primeira vez. Depois do susto, senti uma calma estranha. Era a certeza de que se aconteceu comigo é porque eu daria conta. "- Parece que fomos abençoados com uma missão.", dizia pro marido ainda em estado de choque.

Um dia antes da consulta com a Dra. Caren chamei o marido pra assistir ao DVD que eu tinha comprado. O Renascimento do Parto. Ao final do filme, Juan disse "- Acho que vamos ter esses bebês em casa!". Fiquei muito emocionada!! Porque até então ele ainda me questionava o por quê de insistir nessa história de parto normal depois de 2 cesáreas. E foi assim que começamos a planejar nosso parto domiciliar. (continua...)


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Parto da Jade

Passei a gestação inteira dizendo que ela chegaria no mês de julho. Estratégia para aplacar a ansiedade alheia, já que doce espera sempre teve mais a ver com puta agonia pra mim. Não vou mentir, parece piada, mas não consigo curtir gravidez. Passo muito mal no início, depois fico mega prostrada, minha irritabilidade alcança níveis desumanos (pergunta lá pro marido!) e, por fim, engordo absurdamente. Não vejo graça. Lógico que tem o lado bom da coisa. Cabelos sedosos, filas preferenciais e, claro, o bebê que tá lá dentro. Quando os chutes não miram suas costelas, posso garantir, não há melhor sensação no planeta.
A DPP (data prevista pro parto), dia em que a gestação alcança 40 semanas, era 27 de junho. Eu tinha toda a fé do mundo que ela chegaria bem antes disso. Era tanto cansaço que rolava, uma impaciência tão grande da minha pessoa, que o bebê obviamente desejaria sair logo dali. Ambiente desfavorável. E eu conversava incansavelmente com a barriga sobre as vantagens de se viver aqui…

O parto dos gêmeos - Parte 3 (final)

Depois de finalizar a burocracia da internação, fomos finalmente para o quarto onde ficamos acompanhando as contrações que estavam mais ou menos de 3 em 3 minutos. E assim seguiram até 5h da manhã quando tive uma parada de progressão. Parou. Tudo. Eu não sentia mais absolutamente nada. Lembro-me bem do medo. Medo de chegar até ali e acabar morrendo na praia. Eu estava então com 5 cm de dilatação. Voltar para casa não era mais possível. "- Só sairemos desse hospital com os bebês nos braços.", falou Dra. Caren. Juan ficou super ansioso com isso! Eu e Taíza começamos a caminhar pelo hospital, subimos e descemos as escadas. Todos olhavam para nós. Eu devia ser a maluca do parto normal de gêmeos. Chamamos uma acunpunturista para fazer uma sessão de indução. Taíza deu uma saída para preparar um chá especial pra mim, tomar um banho e trazer mais óleo de rícino pra eu tomar. E nada acontecia. Eu não sentia mais nada.




Já por volta das 15h30 do dia 18/09, após 10h esperando o retorno d…

O parto dos gêmeos - Parte 2

O primeiro encontro com a Dra. Caren foi como todos os outros que se seguiram... uma delicia! Alternávamos conversa séria a boas gargalhadas. Sentia uma intimidade no ar, como se aquele laço já estivesse previsto. Eu saia sempre feliz e confiante daquele consultório. Enfim encontrei uma médica que não me enganaria aos 45 minutos do segundo tempo.

A gravidez transcorreu na maior tranquilidade. Não tive problemas com pressão alta e nem desenvolvi diabetes gestacional, apesar do medo que tivemos pelo ganho de peso elevado - principalmente nos primeiros meses. Sentia apenas um enjôo intenso, com diversos episódios de vômito e um desconforto muito grande nas costas e no quadril, o que fez com que eu me afastasse do trabalho ainda com 5 meses de barriga. O risco era de parto prematuro e eu repetia o mantra "37 semanas" todos os dias. Só então os bebês seriam considerados a termo. Eu conversava com eles pra que esperassem o dia 08/09, que não viessem antes. O tempo foi passando, a b…