Pular para o conteúdo principal

A morte da cegonha

Júlia tinha 3 anos quando me questionou pela primeira vez como o bebê entrava na barriga da mamãe. Juro que eu esperava essa pergunta por volta do 6, então fiquei paralisada. À época morávamos na casa da minha sogra, que além de pedagoga é orientadora sexual. Lembro que passei a bola pra vovó. "- Júlia, vai lá na vovó e repete essa pergunta. Ela sabe tudo sobre isso aí!". E a vó explicou pra ela com a maior naturalidade do mundo que quando papai e mamãe namoram o pênis do papai fica duro e solta dentro da vagina da mamãe um líquido cheio de espermatozoides. Ela continuou a história... assim, assim... Por um lado me senti uma boba de não conseguir responder uma pergunta tão simples. Justo eu que tive uma criação tão aberta e esclarecida quando o assunto era sexo. Por outro lado achei a minha sogra a mulher mais moderna ever! E que alívio... foi ótimo tê-la ali! Uns dias depois ainda ganhamos dela o livro Sexo Não É Bicho Papão que é incrível! O livro vem com um CD de música e um guia de orientações para pais e professores. Super indico!

Imagem retirada daqui

Comentários

  1. obrigada pela dica do livro, vou comprar e me preparar para o bombardeio de perguntinhas que logo logo virão...rs

    bjs

    ResponderExcluir
  2. Fabi é verdade... a gente se pega sem saber por onde começar algumas vezes. Que bom que a sogrinha deu um help. Esse livro deve ser interessante! Vale a dica, pois um pouco de informação sempre ajuda a agirmos com a maior naturalidade possível.
    Beijos e boa semana.

    ResponderExcluir
  3. Lembro que uma vez perguntei pra minha tia como os bebês iam parar dentro da barriga da mãe. Acho que eu tinha a mesma idade da Júlia.
    Ela fez uma cara de assustada e respondeu: É um comprimido que vende na farmácia daí a gente compra ele, toma e o bebê começa a crescer dentro da barriga ¬¬
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Tenho um post salvo nos meus rascunhos contando isso....vc me inspirou para publicá-lo rs

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Nada como ter um plano B, bem alí, do ladinho!!! E são essas perguntas embraçosas que deixam a gente com a cara no chão. Adorei a dica do livro, vou comprar. Bjsss

    ResponderExcluir
  5. Legal Fabi, não conhecia o livro! Já anotei a dica! obrigada!

    Bjos!

    ResponderExcluir
  6. Aqui eu vou falando do assunto aos poucos, com naturalidade e conforme aparecem as perguntas. Ainda estou esperando o dia em que ele vai perguntar como papai colocou a sementinha dentro da mamãe. E pretendo falar a verdade. Mentir jamais!
    Adorei sua sogra e a dica do livro!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Meu Deus! Stella aos 11 ainda não me perguntou! Eu que fico instigando a menina! hahaha... acho até estranho ela ser tão boba assim...

    Adorei o livro, mas deve ser pras mais piquirruchinhas nee?!

    Beijos minha linda! =)

    ResponderExcluir
  8. Quando fiquei grávida da minha segunda filha, também meio que esperei uma pergunta como esta. Mas adotei o lema do: só responda aquilo que os filhos perguntem, sem aumentar a história desnecessariamente ;-) Entao, como nao vieram mais perguntas (a única foi: como é que a Helena vai sair da sua barriga, mamae?), fiquei só com minhas curtas respostas mesmo... Mas acho que já vou comprar o livro e deixá-lo à mao, pelo sim, pelo nao.

    Beijo,
    Karen
    http://multiplicado-por-dois.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. Helena me fez a pergunta com os mesmos 3 anos. Eu apelei pra história da sementinha (que, na verdade, não é mentira! Só é "menos detalhada" que a da sua sogra! rsrsr).

    Por ela, tudo bem. Então, pra mim, ficou bom assim também. Quando ela tiver uns... 7 (VINTE E sete), eu complemento a conversa!

    Bjos e bençãos.
    Mirys
    www.diariodos3mosqueteiros.blogspot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Diz o que achou, conte da sua experiência.
Comenta! Suas palavras me inspiram...

Postagens mais visitadas deste blog

Parto da Jade

Passei a gestação inteira dizendo que ela chegaria no mês de julho. Estratégia para aplacar a ansiedade alheia, já que doce espera sempre teve mais a ver com puta agonia pra mim. Não vou mentir, parece piada, mas não consigo curtir gravidez. Passo muito mal no início, depois fico mega prostrada, minha irritabilidade alcança níveis desumanos (pergunta lá pro marido!) e, por fim, engordo absurdamente. Não vejo graça. Lógico que tem o lado bom da coisa. Cabelos sedosos, filas preferenciais e, claro, o bebê que tá lá dentro. Quando os chutes não miram suas costelas, posso garantir, não há melhor sensação no planeta.
A DPP (data prevista pro parto), dia em que a gestação alcança 40 semanas, era 27 de junho. Eu tinha toda a fé do mundo que ela chegaria bem antes disso. Era tanto cansaço que rolava, uma impaciência tão grande da minha pessoa, que o bebê obviamente desejaria sair logo dali. Ambiente desfavorável. E eu conversava incansavelmente com a barriga sobre as vantagens de se viver aqui…

O parto dos gêmeos - Parte 3 (final)

Depois de finalizar a burocracia da internação, fomos finalmente para o quarto onde ficamos acompanhando as contrações que estavam mais ou menos de 3 em 3 minutos. E assim seguiram até 5h da manhã quando tive uma parada de progressão. Parou. Tudo. Eu não sentia mais absolutamente nada. Lembro-me bem do medo. Medo de chegar até ali e acabar morrendo na praia. Eu estava então com 5 cm de dilatação. Voltar para casa não era mais possível. "- Só sairemos desse hospital com os bebês nos braços.", falou Dra. Caren. Juan ficou super ansioso com isso! Eu e Taíza começamos a caminhar pelo hospital, subimos e descemos as escadas. Todos olhavam para nós. Eu devia ser a maluca do parto normal de gêmeos. Chamamos uma acunpunturista para fazer uma sessão de indução. Taíza deu uma saída para preparar um chá especial pra mim, tomar um banho e trazer mais óleo de rícino pra eu tomar. E nada acontecia. Eu não sentia mais nada.




Já por volta das 15h30 do dia 18/09, após 10h esperando o retorno d…

Eu sou gorda?

Eu nem sei quantas vezes devo ter feito essa pergunta à minha mãe. Nem sei se a fiz um dia. Lembro de me olhar no espelho e ter uma única certeza... eu era gorda. Aliás, era essa a única forma de me magoar com palavras (e meus irmãos sabiam bem disso, valeu galera!!). Já fiz dietas loucas, já fiquei sem comer para compensar, já chorei litros porque o espelho era mau comigo. Sofri horrores a minha infância inteira por conta da barriga. Minhas amigas sempre eram baixinhas e magrinhas... eu sempre fui grande, larga, forte. Vendo as fotos antigas nem me acho gorda. Cheinha, talvez. Mas o bullying (agora que tem nome bonito não vou deixar de usar) sofrido por anos deixou marcas que me acompanham e ainda me assombram.
Depois que me tornei mãe da Júlia meu maior medo era que ela passasse pelo o que passei.
Com 1 mês e meio de vida Júlia começou a tomar complemento, pois eu não tinha leite (e nem informação) suficiente. Ela rapidamente ganhou peso e desde então sua barriguinha se mostrou salien…