Pular para o conteúdo principal

Amigas do peito, HELP!

Terça-feira (10), Joana completou 15 meses! Ao todo, porém, são 12 de péssimas noites de sono.

Ao longo da minha jornada em busca de soluções para o sono da Joana, algumas técnicas funcionaram por 3 dias... ou 2 semanas... logo o padrão dramático voltou a se instalar. Tive sucesso por um tempo quando comecei a colocá-la para dormir direto no berço (comemorei aqui). Só que logo ela começou a dar ataques hora de ir para o berço. Ela tomou ódio do lugar. Aí depois de tanto ouvir de todo mundo com quem compartilhava minhas lamúrias que o problema era o peito, resolvi fazer o desmame da madrugada. Esse também funcionou mais ou menos por algumas semanas. Até que então ela começou a acordar com a mesma frequência ou até mais do que antes... trocou o peito pelo colo. Até hoje sinto cada uma das minhas 5 vértebras lombares. Sinto dor

Cansada de chorar pelo sono não dormido, resolvi aceitar a situação e encarar o momento de maneira positiva... certa de que um dia ela vai aprender a dormir. Isso funcionou. Por um tempo...

Agora estou novamente num período crise em que começo a desconfiar da minha capacidade como mãe, da amamentação prolongada como benefício (herege, eu?), das minhas escolhas como verdade. Que essa nuvem nebulosa saia de cima de mim e que depois dela venha a luz... a solução! Oremos!

Porque eu cansei...


**atualizando**
Depois que programei esse post chorei no colo virtual da amiga . Ela me mostrou esse texto que a Anne publicou no facebook. A leitura deu uma recarregada nos meus ânimos! Confere que vale a pena!!
Rê... obrigada mais uma vez!! :-)

Comentários

  1. Olá Fabiana, também enfrentei problemas noturnos. Eu falo problema, porque para mim era problema.Cada um é um.
    Eu sei que bebê acorda mesmo, mas entre saber e viver tem uma grande distância.
    Pra mim, é impossível cama compartilhada, a noite eu estou desmaiando, é impossível eu querer estar com o marido em outro lugar e depois migrar pra cama. É impossível dormir sem blusa porque aqui é frio e eu sou alérgica.
    Entre eu e a aborígene existe um oceano de diferenças e sim, eu gosto que minha filha durma antes de mim, para eu poder ler um livro sem ser interrompida, porque já fui durante o dia inteiro. Também não rola descansar junto com ela quando ela dorme, porque é nesse momento que faço o que não consigo fazer com ela acordada.
    Enfim, lembra que te disse que eu desmamei a Lara com 1 ano e meio?
    Eu fiz de forma abrupta, numa mamada disse pra ela, esse é o último mama, acabou. Foi dolorido, mas ela mamava o tempo todo, então não era possível deixar mamar só de dia e não a noite.
    Aqui faço sempre uma mudança de cada vez, e deixei pra desmamá-la após uma viagem que fizemos. Ela dormia sempre agarraada em mim, queria mamar toda hora, e virou um sofrimento. Nesse período me trazia mais incomodo que alegria e daí minha decisão.
    Depois de um período de adpatação, ela piorou o que já era ruim no sono, e plim: passou a dormir noites inteiras. Chorava um choromingo na hora de deitar e depois passou até a dar uns gritinhos de alegria por estar em seu berço.
    Toda e qualquer mudança afeta o seu sono, quando Alex viajou, volta-se a estaca zero, quando viajamos tb. Demora 1 mes pra engrenar.

    Tenho dores cronicas tb, e pra mim é importante que ela durma a noite toda sim!!!!

    Beijo, força aí, que passa!!!

    ResponderExcluir
  2. Nossa Fabi....eu nem sei o que te falar....eu passei isso pelo começo...mas foi passageiro.....o Theo sempre dormiu bem e meu unico problema era a chupeta caindo....ai sim tinha que acordar o tempo todo....mas com 6 meses ele colocava a chupeta sozinho....
    eu sempre fiz um ritual para hora de dormir...desde RN .....colocava musiquinha...dava banho...massagens....mamada e ele dormia.....hoje ele vai para cama as 8e meia e acorda as 7 do dia seguinte,,,,,,algumas vezes tem um pesadelo...um chororo que logo passa.....vc já tentou musicas??? bjus

    ResponderExcluir
  3. Fabi, tô sem tempo de ler o texto, mas só posso dizer que os bebês passam por muitos retrocessos, a vida não é só de avanços, né? Mas se vc está no limite, tem que ser firme. E entregar ao pai. Porque vc por perto é muita tentação, ela vai querer mamar. Com o pai, não tem esta tentação. E ela vai voltar a dormir. Claro que no início vai dar trabalho e chorar muito, mas não vejo outro jeito senão o deixar esta função de ninar e acarinhar para o pai.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Eu lutei como louca pra evitar, mas caí no choro supervisionado!!! Fabi, durou uma semana, ela chorava eu ninava c/ela deitada e saia, chorava pela segunda vez eu ia na beira da cama e falava ou cantava, ela dormia e voltava a chorar aí eu só dizia q não tivesse medo q eu estava perto, era só chamar, mas da porta, na 4a eu beijava e dava boa noite "mãe tá na sala, durma eu não volto mais". E não voltava!! Foi uma semana horrível pras duas por mil coisas, mais inclusive pra mim q me sentia no mínimo uma traidora do meu ideal materno.
    Ela passou a dormir toda a noite, eu também, sobrevivemos ao trauma e com a 3a eu já estou pondo rotina e pra dormir sozinha desda 6a semana e descobri o ceu, pq tão novinha ela nem adquiriu material pra passar pela síndrome da separação.Gato escaldado...já sabe né?
    bj

    ResponderExcluir
  5. Só li o texto agora...
    Se fosse pra mim não ajudaria, pq já praticava os conselhos dados e meu foco principal era q dormisse sozinha, pq como eu faço cama compartilhada as acordadas eram raras sem representar um problema.
    Só q a soneca da tarde, dançava.
    A diferença nos nossos horários de dormir era um stresse.
    Com isso eu tinha uma bb chorona e cansada o dia todo, quem merece?
    Muita força, como vc vê não há fórmula, só mesmo perseverança e paciência.
    B J

    ResponderExcluir
  6. Oi Fabi,
    Li o texto e adorei. Achava que fazia tudo errado, aliás meus três filhos dormiram comigo. Pra mim era o único jeito de eu dormir um pouco mais. Enquanto eles mamavem eu dormia. Meu caçula, tem 12meses e eu estou enfrentando o mesmo problema que vc. Ele acorda a noite inteira pra mamar. Estava decidida a desmamá-lo. Mas, hoje, por acaso, folheando um livro sobre pediatria, li que o desmame deve ser natural, que as crianças na faixa de 2 anos já estão mais preparadas para o desmame, eu resolvi esperar mais um pouquinho. E lembrei do meu filho do meio. Quando ele completou 1 ano e meio eu tive que desmamá-lo porque engravidei e foi bem tranquilo. simplesmente tirei o peito e ele não chorou muito. Acho que era mais uma chupeta, que necessidade de alimentação noturna. Depois disso, ele começou a dormir bem melhor. sinceramente, hoje, com tanta informação, é difícil vc saber realmente se está fazendo certo ou errado. Eu não fico me culpando, não. Tento dar o meu melhor. Seguir o meu coração. As vezes nem sei de onde tiro força. Mas vou seguindo. Beijos!!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Diz o que achou, conte da sua experiência.
Comenta! Suas palavras me inspiram...

Postagens mais visitadas deste blog

Parto da Jade

Passei a gestação inteira dizendo que ela chegaria no mês de julho. Estratégia para aplacar a ansiedade alheia, já que doce espera sempre teve mais a ver com puta agonia pra mim. Não vou mentir, parece piada, mas não consigo curtir gravidez. Passo muito mal no início, depois fico mega prostrada, minha irritabilidade alcança níveis desumanos (pergunta lá pro marido!) e, por fim, engordo absurdamente. Não vejo graça. Lógico que tem o lado bom da coisa. Cabelos sedosos, filas preferenciais e, claro, o bebê que tá lá dentro. Quando os chutes não miram suas costelas, posso garantir, não há melhor sensação no planeta.
A DPP (data prevista pro parto), dia em que a gestação alcança 40 semanas, era 27 de junho. Eu tinha toda a fé do mundo que ela chegaria bem antes disso. Era tanto cansaço que rolava, uma impaciência tão grande da minha pessoa, que o bebê obviamente desejaria sair logo dali. Ambiente desfavorável. E eu conversava incansavelmente com a barriga sobre as vantagens de se viver aqui…

O parto dos gêmeos - Parte 3 (final)

Depois de finalizar a burocracia da internação, fomos finalmente para o quarto onde ficamos acompanhando as contrações que estavam mais ou menos de 3 em 3 minutos. E assim seguiram até 5h da manhã quando tive uma parada de progressão. Parou. Tudo. Eu não sentia mais absolutamente nada. Lembro-me bem do medo. Medo de chegar até ali e acabar morrendo na praia. Eu estava então com 5 cm de dilatação. Voltar para casa não era mais possível. "- Só sairemos desse hospital com os bebês nos braços.", falou Dra. Caren. Juan ficou super ansioso com isso! Eu e Taíza começamos a caminhar pelo hospital, subimos e descemos as escadas. Todos olhavam para nós. Eu devia ser a maluca do parto normal de gêmeos. Chamamos uma acunpunturista para fazer uma sessão de indução. Taíza deu uma saída para preparar um chá especial pra mim, tomar um banho e trazer mais óleo de rícino pra eu tomar. E nada acontecia. Eu não sentia mais nada.




Já por volta das 15h30 do dia 18/09, após 10h esperando o retorno d…

Eu sou gorda?

Eu nem sei quantas vezes devo ter feito essa pergunta à minha mãe. Nem sei se a fiz um dia. Lembro de me olhar no espelho e ter uma única certeza... eu era gorda. Aliás, era essa a única forma de me magoar com palavras (e meus irmãos sabiam bem disso, valeu galera!!). Já fiz dietas loucas, já fiquei sem comer para compensar, já chorei litros porque o espelho era mau comigo. Sofri horrores a minha infância inteira por conta da barriga. Minhas amigas sempre eram baixinhas e magrinhas... eu sempre fui grande, larga, forte. Vendo as fotos antigas nem me acho gorda. Cheinha, talvez. Mas o bullying (agora que tem nome bonito não vou deixar de usar) sofrido por anos deixou marcas que me acompanham e ainda me assombram.
Depois que me tornei mãe da Júlia meu maior medo era que ela passasse pelo o que passei.
Com 1 mês e meio de vida Júlia começou a tomar complemento, pois eu não tinha leite (e nem informação) suficiente. Ela rapidamente ganhou peso e desde então sua barriguinha se mostrou salien…