Pular para o conteúdo principal

Mudança a vista

"Eu quero uma casa no campo
Onde eu possa compor muitos rocks rurais

E tenha somente a certeza

Dos amigos do peito e nada mais

Eu quero uma casa no campo

Onde eu possa ficar no tamanho da paz

E tenha somente a certeza

Dos limites do corpo e nada mais

Eu quero carneiros e cabras pastando solenes

No meu jardim

Eu quero o silêncio das línguas cansadas

Eu quero a esperança de óculos

Meu filho de cuca legal

Eu quero plantar e colher com a mão
A pimenta e o sal
Eu quero uma casa no campo
Do tamanho ideal, pau-a-pique e sapé
Onde eu possa plantar meus amigos
Meus discos e livros
E nada mais"

Elis cantava assim... lindamente!
Essas palavras nunca combinaram tanto comigo. Cresci em apartamento e só fui conhecer a vida numa casa depois de adulta. Então meu desejo não tem raízes na infância... pelo menos não na minha. Tenho vontade de ver minhas filhas mais soltas, tenho vontade de mais espaço, tenho vontade de mais verde. Esses planos, porém, foram arquivados na gaveta "futuro"... aquela que guarda tudo o que eu quero pra já, mas que exige maturação. A hora não é agora.

Foi aí que resolvi que preciso de uma varanda!

Comecei a minha busca por apartamento de 2 quartos na asa norte (o "bairro" aqui de Brasília onde cresci - ali tem cheirinho da minha infância...) com varanda! Tudo começou pela pesquisa online. Vi muitas fotos, analisei preços, possibilidades. Organizei uma planilha com todos os anúncios que me interessaram. Número da quadra, nome da imobiliária e contato, detalhes sobre o apartamento com observações minhas, valor do aluguel, do condomínio e um campo para checar o que já tiver visitado. #dica *Ainda não olhei os anúncios de jornal... preciso acrescentá-los.*

A segunda etapa comecei agora. As visitas. Ai que dó de mim. Dá trabalho, toma tempo e a gente sofre com tanto lugar feio, mal cuidado. Isso sem falar no sofrimento provocado pelos corretores. Tem tanto profissional terrível nessa área que dói. Essa semana só consegui ver um apartamento, tomei um bolo e marquei uma visita para hoje à tarde. O apartamento que vi estava bem cuidado, mas a sala e os quartos eram mínimos e não tinha garagem. Carta fora do baralho.

Minha jornada parece que será longa e acho que solitária, visto que Juan trabalha muito e nunca consegue me acompanhar.

Conto quando encontrar meu novo lar! #rimou

Imagem daqui

Comentários

  1. Oi Fabiana,
    essa fase de procurar apartamento é um saco! rs... Mas realmente uma varandinha vale muito a pena! Agora moro em um apartamento com uma varanda grande e as meninas amam!
    Não se fala em outra coisa senão a casa da avó! rs... Acho que vai ser legal sim!
    Beijos
    Chris
    http://inventandocomamamae.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Sei bem o que é isso!!!!!
    Quando cheguei aqui em Brasília fiquei assustada com os valores, tamanhos e estado físico dos imóveis. Não dá nem p/ acreditar nos valores praticados e nehum investimento feito no imóvel.
    É tudo tão caro que estamos temporariamente em uma kit.
    Para vc ter uma idéia do contraste que é com o RJ .... lá nós temos uma cobertura de 3 quartos (1 suíte) e uma varanda grande (deferente das varandas daqui), conseguimos coloca-la p/ alugar este mês, e o valor do aluguél que estamos cobrando, nem de longe dá p/ cobrir um aluguel de apartamento 3 quartos aqui no Plano, muito menos, cobertura.
    Estou amando Brasília, só a questão moradia me faz querer voltar p/ o RJ.
    Nem tudo é perfeito né. rsrs

    ResponderExcluir
  3. boa sorte! vc há de encontrar um apê na medida dos seus sonhos!
    beijoca
    mari
    www.viciadosemcolo.com

    ResponderExcluir
  4. Te conheci hoje mas não te reconheci.... hihihi
    Boa sorte!! É bem dificil achar um apê BBB! hihi

    bjs

    ResponderExcluir
  5. Eita, isto está quase me lembrando da Alemanha (pelo menos nas cidades grandes)! Aqui, para piorar ainda mais, há muito mais procura de apartamento do que oferta. Entao, após todo este suplício, você encontra O apartamento ideal, mas tem mais umas 30 famílias que também acham isso :-) Aí tem que mandar currículo para o dono do imóvel escolher. Surreal!!!

    Mas boa sorte pra você!
    Beijo,
    Karen
    http://multiplicado-por-dois.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. é fogo.
    eu tb já fiz muuuita planilha!
    mas sempre aluguei por particular.
    o lance de alugar por imobiliária é já ficar com toda a papelada em mãos pra, quando você achar o ap que você gostar, agarrar com tudo.

    mas foram os classificados que sempre me livraram de furadas imobiliárias!

    vc não está só. qdo precisar é só falar que eu vou nessa com vc. ehehehehe

    boa sorte!

    bjs

    ResponderExcluir
  7. Venha pra Águas Claras que vc vai ter muita varanda e muito espaço pra viver e ser feliz.

    Sorte na sua procura!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Diz o que achou, conte da sua experiência.
Comenta! Suas palavras me inspiram...

Postagens mais visitadas deste blog

Parto da Jade

Passei a gestação inteira dizendo que ela chegaria no mês de julho. Estratégia para aplacar a ansiedade alheia, já que doce espera sempre teve mais a ver com puta agonia pra mim. Não vou mentir, parece piada, mas não consigo curtir gravidez. Passo muito mal no início, depois fico mega prostrada, minha irritabilidade alcança níveis desumanos (pergunta lá pro marido!) e, por fim, engordo absurdamente. Não vejo graça. Lógico que tem o lado bom da coisa. Cabelos sedosos, filas preferenciais e, claro, o bebê que tá lá dentro. Quando os chutes não miram suas costelas, posso garantir, não há melhor sensação no planeta.
A DPP (data prevista pro parto), dia em que a gestação alcança 40 semanas, era 27 de junho. Eu tinha toda a fé do mundo que ela chegaria bem antes disso. Era tanto cansaço que rolava, uma impaciência tão grande da minha pessoa, que o bebê obviamente desejaria sair logo dali. Ambiente desfavorável. E eu conversava incansavelmente com a barriga sobre as vantagens de se viver aqui…

O parto dos gêmeos - Parte 3 (final)

Depois de finalizar a burocracia da internação, fomos finalmente para o quarto onde ficamos acompanhando as contrações que estavam mais ou menos de 3 em 3 minutos. E assim seguiram até 5h da manhã quando tive uma parada de progressão. Parou. Tudo. Eu não sentia mais absolutamente nada. Lembro-me bem do medo. Medo de chegar até ali e acabar morrendo na praia. Eu estava então com 5 cm de dilatação. Voltar para casa não era mais possível. "- Só sairemos desse hospital com os bebês nos braços.", falou Dra. Caren. Juan ficou super ansioso com isso! Eu e Taíza começamos a caminhar pelo hospital, subimos e descemos as escadas. Todos olhavam para nós. Eu devia ser a maluca do parto normal de gêmeos. Chamamos uma acunpunturista para fazer uma sessão de indução. Taíza deu uma saída para preparar um chá especial pra mim, tomar um banho e trazer mais óleo de rícino pra eu tomar. E nada acontecia. Eu não sentia mais nada.




Já por volta das 15h30 do dia 18/09, após 10h esperando o retorno d…

Eu sou gorda?

Eu nem sei quantas vezes devo ter feito essa pergunta à minha mãe. Nem sei se a fiz um dia. Lembro de me olhar no espelho e ter uma única certeza... eu era gorda. Aliás, era essa a única forma de me magoar com palavras (e meus irmãos sabiam bem disso, valeu galera!!). Já fiz dietas loucas, já fiquei sem comer para compensar, já chorei litros porque o espelho era mau comigo. Sofri horrores a minha infância inteira por conta da barriga. Minhas amigas sempre eram baixinhas e magrinhas... eu sempre fui grande, larga, forte. Vendo as fotos antigas nem me acho gorda. Cheinha, talvez. Mas o bullying (agora que tem nome bonito não vou deixar de usar) sofrido por anos deixou marcas que me acompanham e ainda me assombram.
Depois que me tornei mãe da Júlia meu maior medo era que ela passasse pelo o que passei.
Com 1 mês e meio de vida Júlia começou a tomar complemento, pois eu não tinha leite (e nem informação) suficiente. Ela rapidamente ganhou peso e desde então sua barriguinha se mostrou salien…