Pular para o conteúdo principal

A festa! (Parte I - o local) - editado com fotos!

Dia 12 chegou voando!! Eu já não estava mais aguentando de tanta ansiedade! Enfim, correu tudo muito bem e eu só tenho a agradecer!

Resolvi fazer uma festa só para as duas. A ideia era economizar... nesse aspecto não deu muito certo, mas esse post não terá mimimi.

A escolha do local deu trabalho. 

Primeiro porque não tinha certeza se faria em casa (de uma das avós), se faria em algum salão de festas, se faria ao ar livre, se faria em casa de festas. Todo ano eu tenho a mesma vontade... que ainda não se concretizou. Meu sonho é fazer uma festa no maior estilo DIY (faça você mesmo), cuidando de todos os detalhes para produzir a menor quantidade possível de lixo e de preferência em algum lugar em que as crianças possam estar em contato com a natureza.

As avós descartaram a ideia de fazer em casa e eu quase optei pelo salão de festas. Aí minha mãe me lembrou do trabalhão que tivemos no ano passado na festa da Júlia (Joana tinha apenas 2 meses) que foi no salãozinho do meu prédio. A distância do salão que estava nos planos também pesou negativamente e a possibilidade de fechar com uma casa de festas estava cada vez mais viável.

Resolvi visitar o site de uma que certa vez entregou um panfleto na porta da escola. O panfleto ganhou minha atenção, o site brilhou meus olhos! Quando, finalmente, visitei o local sabia que a festinha seria ali! Peticolá é o nome e eu já gosto a partir daí. 


Área baby e casinha de bonecas


A proposta deles é diferente de todos os outros espaços que já contratei e se aproximava em alguns detalhes do meu sonho. O cardápio é elaborado por um cheff e conta com umas delícias que fizeram muito sucesso! Queijo coalho com melado no palito, mini-tapiocas, gelatina com frutas!! Tudo muito gostoso!


Parte do salão e ambiente circo
Além disso, o espaço tem as paredes decoradas o que ajudou na minha ideia de não usar balões. Não fez falta e uma grande quantidade de plástico deixou de ir para o lixo. Eles também utilizam copos não descartáveis! Adorei isso!



Andar de baixo (espaço eletrônicos e labirinto laser shot)




Ao postar essa foto lembrei de uma única chateação... o autorama não estava funcionando no dia da festa e nada foi dito a esse respeito. Só fiquei sabendo porque quando desci vi a plaquinha "com defeito" lá. Uma pena.


A dona, Aline, é um doce de pessoa e foi super gentil e atenciosa. Manu foi quem cuidou maravilhosamente da decoração e acompanhou a festa nos atendendo prontamente sempre com um sorriso no rosto. O restante da equipe também foi muito atenciosa e eu fiquei admirada de ver todo o pessoal muito jovem e bem treinado! 

Sou só elogios e super recomendo!! 

Júlia posando pra foto na mesa do bolo...

... enquanto Joana tirava uma soneca antes dos convidados chegarem.

Quer mais detalhes sobre o local: http://www.peticola.com.br/

Comentários

  1. Amiga!
    Que maravilha!
    Quero ver o resto, quero ver tudo.
    A Joana coisa maiiiiiss lindaaaa!!
    Que bom que deu tudo certo!!
    Beijão
    e bom feriado!!

    ResponderExcluir
  2. Fabi, a festa foi linda, tudo estava impecável! Mas o momento que mais me marcou foi a felicidade das duas na hora dos parabéns. Júlia felicíssima da vida e Joana bateu palminhas o tempo to-do com um sorrisão semi-banguela na boca, nunca vi uma aniversariante de um ano tão animada!
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Olha só, Fabi, fizemos festa no mesmo final de semana! Quando as suas duas fazem aniversário? Será que é no mesmo dia que a Sophia?
    Estou ansiosa para ver mais fotos!

    Beijo,
    karen
    http://multiplicado-por-dois.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Eu só conheço a cada de festa pelo site mas parece ser a melhor opção da cidade, dentro da proposta que eu gosto. E deve ter sido uma delícia, em todos os sentidos.

    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Já tinha visto o site desse lugar e achei o máximo!!!

    Parabén para as pequenas!!!
    Bjo

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Diz o que achou, conte da sua experiência.
Comenta! Suas palavras me inspiram...

Postagens mais visitadas deste blog

Parto da Jade

Passei a gestação inteira dizendo que ela chegaria no mês de julho. Estratégia para aplacar a ansiedade alheia, já que doce espera sempre teve mais a ver com puta agonia pra mim. Não vou mentir, parece piada, mas não consigo curtir gravidez. Passo muito mal no início, depois fico mega prostrada, minha irritabilidade alcança níveis desumanos (pergunta lá pro marido!) e, por fim, engordo absurdamente. Não vejo graça. Lógico que tem o lado bom da coisa. Cabelos sedosos, filas preferenciais e, claro, o bebê que tá lá dentro. Quando os chutes não miram suas costelas, posso garantir, não há melhor sensação no planeta.
A DPP (data prevista pro parto), dia em que a gestação alcança 40 semanas, era 27 de junho. Eu tinha toda a fé do mundo que ela chegaria bem antes disso. Era tanto cansaço que rolava, uma impaciência tão grande da minha pessoa, que o bebê obviamente desejaria sair logo dali. Ambiente desfavorável. E eu conversava incansavelmente com a barriga sobre as vantagens de se viver aqui…

O parto dos gêmeos - Parte 3 (final)

Depois de finalizar a burocracia da internação, fomos finalmente para o quarto onde ficamos acompanhando as contrações que estavam mais ou menos de 3 em 3 minutos. E assim seguiram até 5h da manhã quando tive uma parada de progressão. Parou. Tudo. Eu não sentia mais absolutamente nada. Lembro-me bem do medo. Medo de chegar até ali e acabar morrendo na praia. Eu estava então com 5 cm de dilatação. Voltar para casa não era mais possível. "- Só sairemos desse hospital com os bebês nos braços.", falou Dra. Caren. Juan ficou super ansioso com isso! Eu e Taíza começamos a caminhar pelo hospital, subimos e descemos as escadas. Todos olhavam para nós. Eu devia ser a maluca do parto normal de gêmeos. Chamamos uma acunpunturista para fazer uma sessão de indução. Taíza deu uma saída para preparar um chá especial pra mim, tomar um banho e trazer mais óleo de rícino pra eu tomar. E nada acontecia. Eu não sentia mais nada.




Já por volta das 15h30 do dia 18/09, após 10h esperando o retorno d…

Eu sou gorda?

Eu nem sei quantas vezes devo ter feito essa pergunta à minha mãe. Nem sei se a fiz um dia. Lembro de me olhar no espelho e ter uma única certeza... eu era gorda. Aliás, era essa a única forma de me magoar com palavras (e meus irmãos sabiam bem disso, valeu galera!!). Já fiz dietas loucas, já fiquei sem comer para compensar, já chorei litros porque o espelho era mau comigo. Sofri horrores a minha infância inteira por conta da barriga. Minhas amigas sempre eram baixinhas e magrinhas... eu sempre fui grande, larga, forte. Vendo as fotos antigas nem me acho gorda. Cheinha, talvez. Mas o bullying (agora que tem nome bonito não vou deixar de usar) sofrido por anos deixou marcas que me acompanham e ainda me assombram.
Depois que me tornei mãe da Júlia meu maior medo era que ela passasse pelo o que passei.
Com 1 mês e meio de vida Júlia começou a tomar complemento, pois eu não tinha leite (e nem informação) suficiente. Ela rapidamente ganhou peso e desde então sua barriguinha se mostrou salien…