Pular para o conteúdo principal

O desmame da madrugada

Imagem retirada do Google Images
Mês passado comecei a me sentir muito incomodada com as noites mal dormidas. Joana estava dormindo praticamente todas as noites nos meus braços (e peitos). Por algum tempo foi a solução, mas agora já não estava mais sendo bom. O sono dela não rendia e eu acordava pior do que estava ao deitar. Andei ouvindo meu coração e percebi alguns sinais de que o desmame da madrugada estava próximo. Finalmente chegou o momento em que me senti pronta para viver essa separação. Para alguns pode parecer tão bobo, muitos já tinham me indicado isso como solução para as noites insones. Inclusive a pediatra. Mas não era nossa hora. Eu estava cansada, mas me alimentava daquele contato tanto quanto ela. Só que agora, Joana com quase 1 ano, comecei a perceber a necessidade de me afastar, de retornar para o meu homem. Conversei muito com Juan, pois precisaria da ajuda e do apoio dele nesse processo. Ele se mostrou pronto e disposto. Era o que faltava para a coragem me encontrar.

A primeira noite sem peito foi do dia 20 para o dia 21 de setembro. Conversei com Joana sobre tudo o que iria acontecer dali pra frente. Expliquei que isso faria o nosso sono melhorar, mas que minha recusa não significava menos amor. Ela acordou muitas vezes, como de costume... chorou copiosamente em algumas delas. Dei muito colo, fiz muito carinho. Ela se mostrava muito insatisfeita quando precisava revezar com o pai. O choro virava grito, ela batia e arranhava ele. Juan foi perfeito. Cantarolava baixinho "perdi meu anel no mar..." até que ela se acalmava em seus ombros. Brava nossa baixinha. Sabe o que quer.

Na segunda noite ela chorou bem menos, mas ainda acordou incontáveis vezes (tá! dava pra contar, mas depois que passou da 10ª eu parei). Pior foi quando o ponteiro do relógio alcançou às 03h30... daí em diante ela só cochilou. Era colocar no carrinho (nem tentei mais o berço para poupar o sono da Júlia) e ela acordava. Resultado: muito colo de mamãe, muita dor nas costas da mamãe e um lindo nascer do sol. Aliás, nunca desejei tanto ver o sol... é só ele chegar que eu dou o peito e aí ela dorme mais uma horinha. É... só mais uma horinha depois de umas 3h acordada.



Duas semanas depois e o resultado começou a aparecer. Ela continua acordando algumas várias vezes... mas as primeiras acordadas estão sendo resolvidas ainda no berço. Ah! O berço deixou de ter formigas! Quando acorda e precisa de colo tem sido coisa rápida, menos de 10 minutos. Ou menos de 5... com sono 1 minuto parece 1 hora, então eu fico meio sem noção de tempo. Mas é rápido. Os períodos de sono estão mais longos. Teve uma noite em que ela só acordou 3 vezes entre 00h e 6h da manhã. E isso foi ótimo, sério!!


Estou feliz e animada para continuar o processo em busca de um sono melhor pra minha baixinha (e para mim). Mas só optei pelo desmame da madrugada porque ela já está com quase 1 ano. Antes disso acho que tem que ser no peito e na paciência mesmo.




Comentários

  1. Que bom que já esta havendo progresso!
    Como não consegui amamentar o  Eduardo acorda um ou duas vezes pra mamar, dae tenho que levantar e fazlhoer a mamadeira... 

    Beijos
    nossashistoriasmaeefilho.blogspot.com

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Fabi, concordo com tudo. Eu só desmamei completamente à noite agora, antes ainda dava uma vez, p-elo menos, porque a secura me deixava culpada de não lhe dar líquido algum. Mas, pouco antes da chuva, decidi que era hora de parar até com esta única mamada e sabe o que aconteceu? Ela parou de acordar! Vc está no caminho certo, as acordadas aí ainda vão diminuir bastante!
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Ju, com a Júlia eu tive que complementar o LM... sei bem o que é acordar e fazer mamadeira zumbizando! Ruim, né?! Mas aí com a Joana eu descobri que ruim é acordar! E pronto!!rsrs
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Mas sabe que eu tenho dado água por conta dessa neura?!rsrs
    A menina tava acostumada a beber a noite inteira!! Tenho medo de crises de abstinência!rsrsrs
    Beijos

    PS: Parou de acordar?? Meu sonho... literalmente!

    ResponderExcluir
  5. Boa noite, tô passando aqui pra divulgar um sorteio que Atelier Graça Veloso está realizando de um conj. de 3 peças para bebês, composto de toalha de capuz, babadouro e toalha de mão. Inscrições até o dia 26/10. Não perca!!! 
    http://www.atelierveloso.com/

    Aguardamos sua visita e inscrição!!!

    ResponderExcluir
  6. Oi,
    adorei seu texto.Acho que vc esta super certa. Minhas duas filhas desmamaram tarde e me identifiquei muito com a sua frase "me alimentava daquele contato tanto quanto ela" ...Era exatamente o que eu sentia!
    Adorei!
    Boa sorte nesse processo!
    Ana Luiza está melhor sim! Obrigada!
    E a Julia?
    Beijos
    Chris
    http://inventandocomamamae.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Menina por aqui foi mais fácil, um certo dia fui colocar o Arthur no peito e ele simplesmente recusou, tentei no outro e no outro e ele nunca mais quis. Não vou negar que me senti um pouco rejeitada rs mas por outro lado foi algo natural e sem stress. Boa sorte com o desmame da Joana. Bjoss

    ResponderExcluir
  8. Fabi, adorei ler seu post. É bom encontrar amigas e companheiras nesse processo doloroso (dizem que mais para a gente, do que para eles. Não sei se acredito, já que Pequeno Léo chora muito se não tem peito!) do desmame noturno. A minha pediatra e metade do mundo também já me diziam isso há muito tempo, mas como você, não era minha hora. Há quase dois meses tomei coragem de não deixá-lo dormir no peito. Mama e depois coloco acordado no bercinho. Quase sempre dá certo. Depois de uma semana e meia, ele dorme rapidinho. Depois de umas semanas, decidi tirar as mamadas noturnas. Mamava só até 23h00. Passou disso, só carinho e musiquinha da mamãe! Tem noites que dá certo e em outras ele apronta um berreiro e demora mais de uma hora para dormir. Mas até hoje acorda pelo menos duas vezes (quando tenho sorte). Ainda não é o que eu esperava, mas sigo tentando. Quando achar que está começando a dar certo, acho que escrevo um post! Ah, e parabéns bem atrasado pelo primeiro aninho da Joana! Ela está linda!
    Beijos,
    Flávia Gomes

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Diz o que achou, conte da sua experiência.
Comenta! Suas palavras me inspiram...

Postagens mais visitadas deste blog

Parto da Jade

Passei a gestação inteira dizendo que ela chegaria no mês de julho. Estratégia para aplacar a ansiedade alheia, já que doce espera sempre teve mais a ver com puta agonia pra mim. Não vou mentir, parece piada, mas não consigo curtir gravidez. Passo muito mal no início, depois fico mega prostrada, minha irritabilidade alcança níveis desumanos (pergunta lá pro marido!) e, por fim, engordo absurdamente. Não vejo graça. Lógico que tem o lado bom da coisa. Cabelos sedosos, filas preferenciais e, claro, o bebê que tá lá dentro. Quando os chutes não miram suas costelas, posso garantir, não há melhor sensação no planeta.
A DPP (data prevista pro parto), dia em que a gestação alcança 40 semanas, era 27 de junho. Eu tinha toda a fé do mundo que ela chegaria bem antes disso. Era tanto cansaço que rolava, uma impaciência tão grande da minha pessoa, que o bebê obviamente desejaria sair logo dali. Ambiente desfavorável. E eu conversava incansavelmente com a barriga sobre as vantagens de se viver aqui…

O parto dos gêmeos - Parte 3 (final)

Depois de finalizar a burocracia da internação, fomos finalmente para o quarto onde ficamos acompanhando as contrações que estavam mais ou menos de 3 em 3 minutos. E assim seguiram até 5h da manhã quando tive uma parada de progressão. Parou. Tudo. Eu não sentia mais absolutamente nada. Lembro-me bem do medo. Medo de chegar até ali e acabar morrendo na praia. Eu estava então com 5 cm de dilatação. Voltar para casa não era mais possível. "- Só sairemos desse hospital com os bebês nos braços.", falou Dra. Caren. Juan ficou super ansioso com isso! Eu e Taíza começamos a caminhar pelo hospital, subimos e descemos as escadas. Todos olhavam para nós. Eu devia ser a maluca do parto normal de gêmeos. Chamamos uma acunpunturista para fazer uma sessão de indução. Taíza deu uma saída para preparar um chá especial pra mim, tomar um banho e trazer mais óleo de rícino pra eu tomar. E nada acontecia. Eu não sentia mais nada.




Já por volta das 15h30 do dia 18/09, após 10h esperando o retorno d…

Eu sou gorda?

Eu nem sei quantas vezes devo ter feito essa pergunta à minha mãe. Nem sei se a fiz um dia. Lembro de me olhar no espelho e ter uma única certeza... eu era gorda. Aliás, era essa a única forma de me magoar com palavras (e meus irmãos sabiam bem disso, valeu galera!!). Já fiz dietas loucas, já fiquei sem comer para compensar, já chorei litros porque o espelho era mau comigo. Sofri horrores a minha infância inteira por conta da barriga. Minhas amigas sempre eram baixinhas e magrinhas... eu sempre fui grande, larga, forte. Vendo as fotos antigas nem me acho gorda. Cheinha, talvez. Mas o bullying (agora que tem nome bonito não vou deixar de usar) sofrido por anos deixou marcas que me acompanham e ainda me assombram.
Depois que me tornei mãe da Júlia meu maior medo era que ela passasse pelo o que passei.
Com 1 mês e meio de vida Júlia começou a tomar complemento, pois eu não tinha leite (e nem informação) suficiente. Ela rapidamente ganhou peso e desde então sua barriguinha se mostrou salien…