Pular para o conteúdo principal

Onze

Joana completa 11 meses. O décimo primeiro mês tem uma importância singular, não é mesmo? Talvez por ser o último mês comemorado! Mês que vem vamos contar 1 ano... e daí em diante só vamos falar em anos.

Joana está especialmente linda. Vivenciando uma fase magicamente incrível. Tem dado passinhos... já contamos 15 de uma só vez. Ela cai, senta e levanta. Engatinhar é pros pequenos! Parece que ela nunca gostou muito mesmo de se arrastar no chão. O pezinho direito continua pisando tortinho pra dentro. Não sei se chega a atrapalhar o equilíbrio. Coisa mais rica é perceber a concentração para se levantar. O olhar toma um rumo diferente, como se naquele momento ela só conseguisse olhar para dentro... o objetivo único é organizar-se e levantar. Isso que a gente faz tão fácil e toda hora que nem parece ser algo grandioso. Mas é uma vitória o cérebro anunciar um comando e o corpo obedecer. 

**Pensei no Léo da Mari falando nisso... no vídeo em que ele toca o violão. É algo parecido... mas a emoção da Mari é infinitamente maior que a minha, obviamente. Leãozinho, você está em minhas orações! Força, campeão!!**

Joana agora anda de cadeirão no carro e eu tenho curtido muito espiá-la pelo retrovisor interno. Às vezes ela fica um tempão namorando pela janela a paisagem do caminho. Um olhar tão blasé que eu me mordo de curiosidade para saber o que pensa aquela cabecinha. Que o pai insiste em chamar de cabeção!

Joana tem falado pelos cotovelos, mas eu só entendo o "mamã", o "papa", o "au au" e o "imã" que eu mais gosto de ouvir. Sempre imaginei ela tentando falar Júlia... como seria... mas ela fala "imã" cheia de vontade e repete o tanto que a gente pede pra ouvir.

Joana é beijoqueira. O pai que ensinou, agora aguenta. É uma fofura sem tamanho o "beijo de língua" dela. Explico. Pra fazer o estalo do beijo ela coloca a linguinha pra fora. Derrete até coração de marmanjo! E como beija! Beija se ouve a palavra beijo, beija de alguém pede beijo, beija se a gente dá tchau e a última moda é mandar beijo com a mãozinha. Aí é de matar!

Joana não dorme a noite inteira. Não dorme a noite inteira no berço, não dorme a noite inteira sem mamar. Eu achei que ainda iria separar um post especial para falar sobre o sono entrecortado, mas o fato é que eu não tenho mais muito saco pra ficar reclamando dela não dormir como eu gostaria... Resolvi levar na malandragem, encarar esse tempo de dedicação noturna com tranquilidade, normalidade e serenidade. Afinal, o que são 1, 2 ou 3 anos perto de uma vida inteira? Só que ainda não consegui deixar o sono e o cansaço que me acompanha o tempo inteiro de lado. Como queria que meu corpo se acostumasse logo pra eu nem sentir falta de dormir como um anjo.

Joana ainda mama no peito. Joana come super bem! Aliás, desde a primeira semana de introdução dos sólidos. São raras as vezes em que ela não come tudo do pratinho (uns 300ml). Só comeu mal semana passada quando teve sua primeira dor de garganta acompanhada de sua primeira febre. Uma virose chatinha que a deixou de olhos caidinhos e que abateu a irmã logo que ela melhorou. Foram 3 dias ruins pra cada, uma de cada vez. Eu terminei a semana acabada......

Joana é uma luz. Ilumina nossa família desde os tempos de barriga. Trouxe mudanças, experiências, responsabilidades e amor, acima de tudo. 

Sou muito grata pela sua presença em minha vida, por ser sua escolhida!

Comentários

  1. marininhadutra dutra xavier10 de setembro de 2011 21:28

    Adorei seu blog..suas filhas são lindas! Estou seguindo vc!
    Passa no blog para participar do sorteio de uma sapatilha Ballasox!! Espero vc por lá!!
    bjos
    www.petitninos.com

    ResponderExcluir
  2. Ai, que fase gostosa essa! Delícia!
    Sobre o sono, olha, sei muito bem como você se sente. Meu filho só começou dormir a noite toda com quase dois anos e meio. O cansaço era grande, mas hoje olho para trás e vejo que compensa. Como você disse, é punk, mas passa. E o que são dois ou três anos de dedicação por amor? Assim como você, também fico pensando que é muita tolice reclamar, diante de mães nos hospitais com seus filhos. Você viu o post de hoje da Mari? Não preciso falar mais nada, né?
    Como passei por isso, acho que posso dar um conselho: esquece os palpites e siga seu coração. Se ele te diz para cuidar assim da pequena que acorda, cuide. E se for desistir de algo, pense bem que deve ter coisas na sua vida menos importantes que podem ser mais deixadas de lado, pode ser blogar, ler blogs, cuidados com a casa, fazer as unhas. Enfim, só você saberá.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Tatiana Azevedo Bonotto11 de setembro de 2011 06:41

    Olá, estou passando por aqui, para convidar você para conhecer meu DOCE blog.

    Quando puder passe por lá, vai ser prazer ter sua companhia.

    www.tatidesigner.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Dani, adorei suas palavras!! Um beijo...

    ResponderExcluir
  5. Esta fase é deliciosa de tudo!
    Sobre o sono, a gente pode até se queixar um pouco, mas é ilusório esperar que bebês tão pequenos durmam a noite inteira quando o mais frequente é que isso NÃO aconteça. Ela vai aprender a dormir, vc pode ajudá-la, mas isso não é o normal de crianças na idade dela. E, com esta seca que nos assola, seria até estranho ela não querer mamar à noite, concorda?
    Ainda farei um post para contar como melhoramos o sono da Clarice (e o nosso), mas ela ainda acorda 1 ou 2 vezes para mamar e eu acho mais que justo. Espero que a nossa experiência sirva de alento.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Que delícia é essa fase! E ela tá muito fofa e esperta!
    E é lindo ela chamando imã! derreti o coração só imaginando! rs

    beijos

    ResponderExcluir
  7. Vim aqui te agradecer pelo carinho e força e me deparo com este post tão lindo! E não só pela nossa citação, mas pelo puro amor que vejo em cada palavra!  Alegria de mãe não se mede! A minha é como a sua, infinita! Assim como o orgulho dos nossos filhotes!

    Um beijo enorrrrrrme! E muito obrigada querida! =))

    ResponderExcluir
  8. Aaaai, que fofura! Como passa depressa...
    Beijão!

    ResponderExcluir
  9. Priscila, mãe do imperador12 de setembro de 2011 15:30

    Que relato lindo! Joana mais linda ainda!
    Beijos

    http://nossoimperador.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Que saudade de vc, da Julia e da Joana. Desculpe o sumiço...estava numa correria danada. Achei o maximo ver como a Joana come, como esta esperta. Parabens pelos 11 meses. Eu nao levei mordida do Erik mas já estou tomando cuidado com os dentinhos dele: amamento em lugar tranquilo, com o meu dedinho perto ... e muita calma caso algo ocorra eheheheh

    super bj e abração

    ResponderExcluir
  11. Oi Fabiana,´Muito bom ser mãe e muito boa essa fase que a Joana está!
    Que bom que vc curtiu nosso café da manhã!Fiquei feliz!BeijosChrishttp://inventandocomamamae.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  12. Daniela - Nave Mamae12 de setembro de 2011 19:02

    Fabi,
    Que relato mais meigo, detalhado, carinhoso, terno, tocante...
    Senti a emoção de cada palavrinha!
    Ela está mesmo uma fofa!
    E parabéns pelo último mensário!
    Eu já fico toda saudosa...
    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Eu tô toda assim também, Dani... querendo - às vezes - que o tempo páre. Não sei se um terceirinho vai rolar... então tô curtindo as etapas da Joaninha com uma melancolia danada!

    Enfim, mas vê-los crescer é também uma delícia!

    ResponderExcluir
  14. Temos que cuidar mesmo, Ana... pq eu já levei cada "mordida" de gengiva que doeu taaaaaanto!!! Fiquei imaginando as dentadas!rsrsrs

    ResponderExcluir
  15. Mari, espero de coração que Léo esteja melhor! Fiquei muito conectada a vcs...
    Vc por aqui é sempre uma honra! Obrigada!!
    Beijos

    ResponderExcluir
  16. Fiquei na expectativa do seu post!!
    Eu ando muito mais tranquila com relação a isso... tranquila ou resignada... não sei exatamente!rs
    Mas parece que desde que resolvi let it be... tenho descansado um pouco melhor à noite!! E isso - pra mim - já tá ótimo!!
    Beijoooos

    ResponderExcluir
  17. Fabi,
    Que palavras lindas! Adorei! Como a gente se encanta com nossos filhos. Dá um trabalho, passamos noites acordadas, mas no final amamos tudo. Não conseguiríamos viver sem...
    Tudo tem sua fase. Não é mesmo?
    A Joana, que linda. Aproveite muito! Curta demais!
    Quero agradecer o carinho lá no meu blog. Um grande beijo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Diz o que achou, conte da sua experiência.
Comenta! Suas palavras me inspiram...

Postagens mais visitadas deste blog

Parto da Jade

Passei a gestação inteira dizendo que ela chegaria no mês de julho. Estratégia para aplacar a ansiedade alheia, já que doce espera sempre teve mais a ver com puta agonia pra mim. Não vou mentir, parece piada, mas não consigo curtir gravidez. Passo muito mal no início, depois fico mega prostrada, minha irritabilidade alcança níveis desumanos (pergunta lá pro marido!) e, por fim, engordo absurdamente. Não vejo graça. Lógico que tem o lado bom da coisa. Cabelos sedosos, filas preferenciais e, claro, o bebê que tá lá dentro. Quando os chutes não miram suas costelas, posso garantir, não há melhor sensação no planeta.
A DPP (data prevista pro parto), dia em que a gestação alcança 40 semanas, era 27 de junho. Eu tinha toda a fé do mundo que ela chegaria bem antes disso. Era tanto cansaço que rolava, uma impaciência tão grande da minha pessoa, que o bebê obviamente desejaria sair logo dali. Ambiente desfavorável. E eu conversava incansavelmente com a barriga sobre as vantagens de se viver aqui…

O parto dos gêmeos - Parte 3 (final)

Depois de finalizar a burocracia da internação, fomos finalmente para o quarto onde ficamos acompanhando as contrações que estavam mais ou menos de 3 em 3 minutos. E assim seguiram até 5h da manhã quando tive uma parada de progressão. Parou. Tudo. Eu não sentia mais absolutamente nada. Lembro-me bem do medo. Medo de chegar até ali e acabar morrendo na praia. Eu estava então com 5 cm de dilatação. Voltar para casa não era mais possível. "- Só sairemos desse hospital com os bebês nos braços.", falou Dra. Caren. Juan ficou super ansioso com isso! Eu e Taíza começamos a caminhar pelo hospital, subimos e descemos as escadas. Todos olhavam para nós. Eu devia ser a maluca do parto normal de gêmeos. Chamamos uma acunpunturista para fazer uma sessão de indução. Taíza deu uma saída para preparar um chá especial pra mim, tomar um banho e trazer mais óleo de rícino pra eu tomar. E nada acontecia. Eu não sentia mais nada.




Já por volta das 15h30 do dia 18/09, após 10h esperando o retorno d…

Eu sou gorda?

Eu nem sei quantas vezes devo ter feito essa pergunta à minha mãe. Nem sei se a fiz um dia. Lembro de me olhar no espelho e ter uma única certeza... eu era gorda. Aliás, era essa a única forma de me magoar com palavras (e meus irmãos sabiam bem disso, valeu galera!!). Já fiz dietas loucas, já fiquei sem comer para compensar, já chorei litros porque o espelho era mau comigo. Sofri horrores a minha infância inteira por conta da barriga. Minhas amigas sempre eram baixinhas e magrinhas... eu sempre fui grande, larga, forte. Vendo as fotos antigas nem me acho gorda. Cheinha, talvez. Mas o bullying (agora que tem nome bonito não vou deixar de usar) sofrido por anos deixou marcas que me acompanham e ainda me assombram.
Depois que me tornei mãe da Júlia meu maior medo era que ela passasse pelo o que passei.
Com 1 mês e meio de vida Júlia começou a tomar complemento, pois eu não tinha leite (e nem informação) suficiente. Ela rapidamente ganhou peso e desde então sua barriguinha se mostrou salien…