Pular para o conteúdo principal

Apagão rima com União

"Amor, nunca foi tão divertido ficar sem luz, né?!"

Viver em família é algo que exige certa movimentação. Viver bem em família, corrijo.

Certamente, aqui ainda estamos em adaptação. Uns com os outros. Então vivemos dias de teste, constantemente.

Todos os dias a Joana é a primeira a acordar, a Júlia a segunda. Eu vou zumbizando até a sala, ligo a tv (parceira em algumas horas...), prendo a pequena no carrinho com uma peta de distração, coloco o controle nas mãos da maior que decide ora por Nick Jr. ora por Discovery Kids e volto para a cama. Isso me faz ganhar mais uns 30 minutos deitada (porque eu não exatamente durmo). Confesso que adoro esse momento... fico ouvindo os barulhinhos das duas... ou o silêncio delas e o som da tv. Júlia conversa com a irmã, mostra bichinhos interessantes na tela. Joana ri, às vezes reclama de alguma coisa.

Quando levanto, parto para arrumações. Trocar o bebê, arrumar quarto, cozinha, mochilas. Júlia come algo, faz tarefa de casa. Joana empurra alguma coisa dandando pela casa.

Em alguns dias tudo transcorre bem, em outros tudo "funciona" a base de broncas e ameaças. Em alguns dias o Juan está junto, em outros ele dorme até a hora de sair para o trabalho.

Temos conversado muito sobre família. Sobre papéis. Sobre compromissos. Sobre responsabilidades. Sobre desejos. Sobre direitos. Sobre ele. Sobre mim. Sobre elas.

Apesar da minha ansiedade louca que faz com que eu sempre tenha vontade de tratar tudo (e todos) como um botãozinho on/off; apesar da minha imaturidade que faz com que, geralmente, eu não consiga esperar por nada... as coisas tem se arranjado.

Toda essa experiência em família, não mais como apenas filha, tem me ensinado muito sobre o tempo. O tempo das coisas e das pessoas. Eu sempre quis acelerar o tempo. E o tempo que atropelei agora me faz falta. Talvez seja tempo de aprender sobre paciência. Sobre acreditar.

Hoje, Joana acordou, Júlia acordou, eu, sala, tv, cama, eu, arrumações, Juan, sala, eu, sala, tv... um momento... todos juntos... devedê do Luan Santana girando no aparelho e... acaba a luz.

"Vamos descer com as meninas?" Ele disse.
"Vamos!! Boa ideia!" Eu disse.

Brinquedo pra Joana empurrar, bola pra Júlia chutar e ficamos (os 4) brincando por mais de hora no pilotis!

E, por fim, a frase do começo... ele disse... e eu percebi... que as palavras tem poder, mas algumas coisas só são entendidas quando vividas com o coração.


Imagem retirada daqui


Comentários

  1. Priscila, mãe do imperador16 de setembro de 2011 13:02

    Caramba! Lindo! Se tem algo que a maternidade me trouxe foi paciencia, pq tbm sou de querer as coisas p ontem! As vezes agente tem q ser empurada p algumas situações para vivermos experiencias novas, e essa, com certeza ficara marcada p vc e para as crianças! Beijos

    http://nossoimperador.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Que delícia! Ficar sem luz (e sem internet, néam?) faz com que a gente aproveite muito os filhos!

    Beijos

    Rapha, mãe da Alice

    Filhote de Humano
    Maternar Consciente

    ResponderExcluir
  3. Daniela - Nave Mamae17 de setembro de 2011 06:49

    Fabi, eu era igualmente ansiosa, mas depois do Lorenzo fui aprendendo a respeitar o tempo dele. Acho que minha vida mudou muito e pra melhor com isso. Gestei minha terapia! Ser mãe me deu essa oportunidade.

    Quanto a falta de luz, adorei a conclusão do marido... Eu busco tanto essa vida mais simples: sem tanta tecnologia e mais pés descalços! Quem sabe um dia?

    Beijocas

    ResponderExcluir
  4. É verdade Fabiana, maridão tem razão, parece que as tecnologias e a correria do dia, nos impedem das coisas simples!
    E confesso, faço a mesma coisa aqui, o pequeno acorda, ligo a tv e ele fica assistindo enquanto eu cochilo mais uns minutinhos. hehehehe

    beijos

    ResponderExcluir
  5. Oi, Fabi,
    também tenho feito minhas "orações ao tempo":
    "Compositor de destinosTambor de todos os ritmosTempo tempo tempo tempoEntro num acordo contigoTempo tempo tempo tempo..." (Só podia ser Cae...)
    Beijão!
    Marusia

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Diz o que achou, conte da sua experiência.
Comenta! Suas palavras me inspiram...

Postagens mais visitadas deste blog

Parto da Jade

Passei a gestação inteira dizendo que ela chegaria no mês de julho. Estratégia para aplacar a ansiedade alheia, já que doce espera sempre teve mais a ver com puta agonia pra mim. Não vou mentir, parece piada, mas não consigo curtir gravidez. Passo muito mal no início, depois fico mega prostrada, minha irritabilidade alcança níveis desumanos (pergunta lá pro marido!) e, por fim, engordo absurdamente. Não vejo graça. Lógico que tem o lado bom da coisa. Cabelos sedosos, filas preferenciais e, claro, o bebê que tá lá dentro. Quando os chutes não miram suas costelas, posso garantir, não há melhor sensação no planeta.
A DPP (data prevista pro parto), dia em que a gestação alcança 40 semanas, era 27 de junho. Eu tinha toda a fé do mundo que ela chegaria bem antes disso. Era tanto cansaço que rolava, uma impaciência tão grande da minha pessoa, que o bebê obviamente desejaria sair logo dali. Ambiente desfavorável. E eu conversava incansavelmente com a barriga sobre as vantagens de se viver aqui…

O parto dos gêmeos - Parte 3 (final)

Depois de finalizar a burocracia da internação, fomos finalmente para o quarto onde ficamos acompanhando as contrações que estavam mais ou menos de 3 em 3 minutos. E assim seguiram até 5h da manhã quando tive uma parada de progressão. Parou. Tudo. Eu não sentia mais absolutamente nada. Lembro-me bem do medo. Medo de chegar até ali e acabar morrendo na praia. Eu estava então com 5 cm de dilatação. Voltar para casa não era mais possível. "- Só sairemos desse hospital com os bebês nos braços.", falou Dra. Caren. Juan ficou super ansioso com isso! Eu e Taíza começamos a caminhar pelo hospital, subimos e descemos as escadas. Todos olhavam para nós. Eu devia ser a maluca do parto normal de gêmeos. Chamamos uma acunpunturista para fazer uma sessão de indução. Taíza deu uma saída para preparar um chá especial pra mim, tomar um banho e trazer mais óleo de rícino pra eu tomar. E nada acontecia. Eu não sentia mais nada.




Já por volta das 15h30 do dia 18/09, após 10h esperando o retorno d…

Eu sou gorda?

Eu nem sei quantas vezes devo ter feito essa pergunta à minha mãe. Nem sei se a fiz um dia. Lembro de me olhar no espelho e ter uma única certeza... eu era gorda. Aliás, era essa a única forma de me magoar com palavras (e meus irmãos sabiam bem disso, valeu galera!!). Já fiz dietas loucas, já fiquei sem comer para compensar, já chorei litros porque o espelho era mau comigo. Sofri horrores a minha infância inteira por conta da barriga. Minhas amigas sempre eram baixinhas e magrinhas... eu sempre fui grande, larga, forte. Vendo as fotos antigas nem me acho gorda. Cheinha, talvez. Mas o bullying (agora que tem nome bonito não vou deixar de usar) sofrido por anos deixou marcas que me acompanham e ainda me assombram.
Depois que me tornei mãe da Júlia meu maior medo era que ela passasse pelo o que passei.
Com 1 mês e meio de vida Júlia começou a tomar complemento, pois eu não tinha leite (e nem informação) suficiente. Ela rapidamente ganhou peso e desde então sua barriguinha se mostrou salien…