Pular para o conteúdo principal

Gentileza chega em último lugar

Agradeço o apoio no post da festa! De nada adianta eu ficar choramingando agora. Fato. Vou tomar decisões mais pensadas acertadas para o que ainda falta resolver e tratar de ser feliz! Obrigada!!


==
==


Todos os dias é a mesma coisa. Dirijo de casa até a escola das meninas, depois até o meu trabalho... às vezes faço algum trabalho na rua, busco as meninas na escola e dirijo até minha casa. Todos os dias é a mesma coisa. Gente mal educada no trânsito. O que faz as pessoas acharem que estão competindo umas com as outras só porque se vêem atrás de um volante??!!!


Imagem retirada do Google Images

Fico ainda mais triste com essa realidade quando vejo o futuro sendo levado no banco de trás de um asno desses. Porque a única forma das pessoas se tornarem mais gentis é com a educação. E o que estão esses "pilotos" transmitindo a essas crianças?!


Imagem retirada do Google Images
Refletindo sobre isso, voltei o dedo para mim e decidi. A partir de hoje vou mostrar para minha filha enquanto dirijo os momentos em que cedo minha vez numa via (pra quem conhece as tesourinhas de Brasília sabe que ceder é necessário para que o trânsito flua, mas nem todo mundo tem essa "visão"), os momentos em que desacelero e sinalizo para que um pedestre atravesse saindo de uma situação de risco (outro dia vi uma grávida com uma criança de menos de 5 anos parados no meio da pista por uns 3 minutos... ela só conseguiu atravessar quando o sinal fechou. Absuuuuurdo!!), os momentos em que páro na faixa de pedestre (ainda bem que moro numa cidade modelo nesse aspecto #orgulho, mas ainda tem muuuuuuuito infeliz que não respeita) e os outros tantos momentos em que ajo corretamente no trânsito. Até porque eu quase nunca faço besteira...

Eu já expliquei pra ela diversas vezes momentos em que outras pessoas erraram (porque geralmente eu me assusto ou falo um micro palavrão e ela pergunta "o que foi, mãe?")... mas acho que sinalizar o positivo fará com que ela internalize melhor o que é para ser levado para a vida.

Recebi um e-mail da minha mãe que contava a história do Ponto Negro. Já ouviu?! Resumindo até a moral da história... a gente tende a ver só os pontos negros na nossa vida e nunca toda a página em branco que está em volta. Acho que na educação pensar positivamente é mais eficaz.

Crianças aprendem mesmo com o exemplo, com o modelo... mudar o meu foco para o que é bom, valorizando os aspectos positivos da vida, curtindo o tudo de bom que temos e deixar de cultivar tanto mimimi para que minhas filhas sejam mulheres realizadas independente da condição financeira, do marido, do chefe, dos sonhos... é uma mudança pra lá de motivadora!!

PS: Explico. Eu sou uma figura meio pessimista, negativista, complicada, tensa, ansiosa..........


Imagem retirada do Google Images
Mas aí, voltando ao trânsito..., será que eu vou me tornar uma mãe muito chata com esses papos por nossa estrada afora? Será que basta fazer o certo para ensinar? Alguma outra ideia?! Como você faz por aí?

Comentários

  1. Nossa! Você escreveu o post que eu ando mentalizando, ontem mesmo estava conversando e falei boa parte do que você escreveu.
    Aqui tudo muito parecido. Gostei da idéia de comentar sobre os bons hábitos.
    E olha, quando vejo alguém com aquele adesivo da família feliz (porque o insulfilm nem sempre permite ver se tem criança no carro) fazendo merda no trânsito, agindo como um(a) troglodita, fico ainda mais transtornada.
    Por que será que o carro traz esse sentimento de poder nas pessoas, e quanto maior ou mais caro o carro, mais no direito de se sentir o(a) dono(a) da rua?
    Além de educar nossos filhos e dirigir sentindo-se parte do coletivo urbano que é o trânsito, o que mais a gente pode fazer para melhorar a vida de motoristas, passageiros e pedestres, heim? Pergunta que vive na minha cachola...
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Clap, clap, clap!!!
    Parabéns Fabi! Estou orgulhosa de ser sua amiga (ainda que virtual)!!!
    EStá no caminho certíssimo!!!

    Também concordo que o modelo, o exemplo, é a melhor lição de todas. Eu sempre parei para os outros passarem, cedi minha vez, não buzino se alguém me corta... e meu filho vive dizendo que eu sou "piloto"! Recebo o elogio com o maior orgulho!!!

    Na semana passada, eles tiveram aula sobre trânsito, na escola. No fim do dia 2, a monitora veio me cumprimentar. No fim do dia 4, a professora veio! Porque sempre que alguma delas falava "isso não pode ser feito... vocês conhecem alguém que NÃO faça isso?", o Guigo levantava a mão. "Minha mãe nunca para em cima da faixa. Minha mãe não conversa no celular. Minha mãe não anda acima do limite de velocidade". Ai, ai... e eu NUNCA fiquei falando isso para eles, do tipo "olhem só. A mamãe não para sobre a faixa como aquele moço mau, ali". Mas, eles percebem, eles observam. Impressionante!!!

    Bjos e bençãos.
    Tô contigo e não abro!!!
    Mirys
    www.diariodos3mosqueteiros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Ai, Mirys!! Emocionei com seu comentário! Abraçou meu ego num dia que eu tava mesmo precisando me achar!rsrsrsrs

    Te adoro e super me orgulho de ser sua amiga!! 

    Fiquei feliz de ver que eles observam! Tomara que minha filha seja ligada igual esses seus pimpolhos! Pq eu fico com receio de ser uma chata... mas sabe, tá dando certo ir sinalizando umas coisinhas... ela tem prestado mais atenção no trânsito.

    Beijos!!

    ResponderExcluir
  4. Ai, Dani, também não entendo pq as pessoas enlouquecem assim!!
    Tenho ficado MUITO impressionada com a violência e com o desrespeito no trânsito. E por aqui só tem piorado...

    Quanto a pergunta.... também estou buscando as respostas!

    ResponderExcluir
  5. Que lugar mais lindo que vai ser a festa!! Vou me convidar pra ir também! Hahaha!
    Bjos
    Pri

    ResponderExcluir
  6. Priscila a mãe do imperador23 de agosto de 2011 08:50

    Assino embaixo! Tá certíssima, ainda esta semana, no estacionamento de um shopping, carro parado dando seta para entrar da vaga que sairiamos e vem outro cara e quase se mata com a familia dentro para colocar o carro na vaga que supostamente já era do outro, quando ele desceu do carro, uma menininha linda de uns 4 anos...que exemplo ela terá pensei eu! é cada coisa! falta muita educação MESMO!! Dá vontade de gritar, fazer justiça!  Mas não dá! Então, concordo que mostrar os bons exemplos aos filhos é a saida para eles aprenderem e entenderem o que é correto, independente do que os outros façam!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Diz o que achou, conte da sua experiência.
Comenta! Suas palavras me inspiram...

Postagens mais visitadas deste blog

Parto da Jade

Passei a gestação inteira dizendo que ela chegaria no mês de julho. Estratégia para aplacar a ansiedade alheia, já que doce espera sempre teve mais a ver com puta agonia pra mim. Não vou mentir, parece piada, mas não consigo curtir gravidez. Passo muito mal no início, depois fico mega prostrada, minha irritabilidade alcança níveis desumanos (pergunta lá pro marido!) e, por fim, engordo absurdamente. Não vejo graça. Lógico que tem o lado bom da coisa. Cabelos sedosos, filas preferenciais e, claro, o bebê que tá lá dentro. Quando os chutes não miram suas costelas, posso garantir, não há melhor sensação no planeta.
A DPP (data prevista pro parto), dia em que a gestação alcança 40 semanas, era 27 de junho. Eu tinha toda a fé do mundo que ela chegaria bem antes disso. Era tanto cansaço que rolava, uma impaciência tão grande da minha pessoa, que o bebê obviamente desejaria sair logo dali. Ambiente desfavorável. E eu conversava incansavelmente com a barriga sobre as vantagens de se viver aqui…

O parto dos gêmeos - Parte 3 (final)

Depois de finalizar a burocracia da internação, fomos finalmente para o quarto onde ficamos acompanhando as contrações que estavam mais ou menos de 3 em 3 minutos. E assim seguiram até 5h da manhã quando tive uma parada de progressão. Parou. Tudo. Eu não sentia mais absolutamente nada. Lembro-me bem do medo. Medo de chegar até ali e acabar morrendo na praia. Eu estava então com 5 cm de dilatação. Voltar para casa não era mais possível. "- Só sairemos desse hospital com os bebês nos braços.", falou Dra. Caren. Juan ficou super ansioso com isso! Eu e Taíza começamos a caminhar pelo hospital, subimos e descemos as escadas. Todos olhavam para nós. Eu devia ser a maluca do parto normal de gêmeos. Chamamos uma acunpunturista para fazer uma sessão de indução. Taíza deu uma saída para preparar um chá especial pra mim, tomar um banho e trazer mais óleo de rícino pra eu tomar. E nada acontecia. Eu não sentia mais nada.




Já por volta das 15h30 do dia 18/09, após 10h esperando o retorno d…

Eu sou gorda?

Eu nem sei quantas vezes devo ter feito essa pergunta à minha mãe. Nem sei se a fiz um dia. Lembro de me olhar no espelho e ter uma única certeza... eu era gorda. Aliás, era essa a única forma de me magoar com palavras (e meus irmãos sabiam bem disso, valeu galera!!). Já fiz dietas loucas, já fiquei sem comer para compensar, já chorei litros porque o espelho era mau comigo. Sofri horrores a minha infância inteira por conta da barriga. Minhas amigas sempre eram baixinhas e magrinhas... eu sempre fui grande, larga, forte. Vendo as fotos antigas nem me acho gorda. Cheinha, talvez. Mas o bullying (agora que tem nome bonito não vou deixar de usar) sofrido por anos deixou marcas que me acompanham e ainda me assombram.
Depois que me tornei mãe da Júlia meu maior medo era que ela passasse pelo o que passei.
Com 1 mês e meio de vida Júlia começou a tomar complemento, pois eu não tinha leite (e nem informação) suficiente. Ela rapidamente ganhou peso e desde então sua barriguinha se mostrou salien…