Pular para o conteúdo principal

A festa do desperdício

O que a gente faz depois de uma decisão mal tomada sem direito a voltar atrás?!

Júlia e Joana são de dezembro e outubro, respectivamente. Daí surgiu a ideia de comemorar os aniversários em uma festa entre um e outro, novembro. Seria uma forma de economizar!

Buffet contratado, decoração parcialmente acertada, outras coisas para finalizar, muito dinheiro gasto, mais um pouco ainda por gastar e..................................


Imagem retirada do Google Images
 Que valor é esse que estou transmitindo às minhas filhas? Qual a real NECESSIDADE disso tudo? Cadê a aplicação do consumo consciente em nosso cotidiano? Sustentabilidade? Oi?!

Sabe quando a gente sai para uma caminhada meio na louca? Sem óculos de sol, sem protetor solar, sem boné ou chapéu, sem água, sem companhia... e, de repente, se vê quilômetros de casa... sem energia pra voltar... sem sentido? (Mais ou menos como esse exemplo?!!)

Assim estou me sentindo...

Queria voltar atrás, cancelar tudo e fazer uma festa como fez a Pri - Mãe de Duas (sempre fonte de inspiração, aliás). Festa no parque com direito a toalhas coloridas, natureza ao alcance das mãos, comidinhas de piquenique, brisa no rosto, correria sem fim e muito brilho nos olhos da criançada!

Deprimi...

A festa desse ano vai ser linda, vai ser alegre, vai ter muita gente querida e coisas gostosas. Mas vai rolar desperdício. Muito desperdício. Desperdício de dinheiro, desperdício de comida... e o maior deles... desperdicei mais uma oportunidade de mostrar pra minhas filhas que o simples também pode ser mágico!

Lembra da primeira pergunta?!
Resposta: A gente aprende... e daqui pra frente faz tudo diferente!

Comentários

  1. Sinceramente eu acho injusta uma reflexão, meio culpa, a essas alturas. Melhor curtir o momento.
    Vc já vai ter um pouquinho de trabalho pra modificar essa perspectiva de festa glamour com a maior, então não minimize a experiência que vc está adquirindo agora transformando em culpa, deixa que todo mundo valorize o que foi gasto ficando satisfeito, orgulhoso, inclusive vc... É devagar que os conceitos vão sendo construídos de acordo com cada família, sem cartilha, pra q cresçam forte.
    Bj

    ResponderExcluir
  2. Priscila, mãe do imperador18 de agosto de 2011 17:08

    Exatamente, concordo com a Rosa ai de cima! O que vale é o aprendizado para a próxima, agora já que esta na chuva, se molha! Curte td! Beijocas

    ResponderExcluir
  3. Ai, Fabi...te entendo tanto.
    Também fico me perguntando a finalidade de tudo isso, se a simplicidade também os fazem felizes. Aqui em casa, marido sempre foi mais preocupado com a sustentabilidade. E qdo ele vinha com esse papo pra mim, achava muito chato! Mas com o tempo fui vendo que ele tem razão.
    Mas ó...bola pra frente pra curtir o momento como ele merece.

    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Aqui em casa eu que sou mais a ecochata... e às vezes parece que esqueço de tudo e tomo umas decisões assim... sem noção. Será falta de sono???rsrsrs

    ResponderExcluir
  5. Rosa, gostei do que disse... não adianta mimimi agora, né?! Mas, sabe que a coisa me pegou de um jeito... vou tentar minimizar o "estrago" no que ainda está para ser resolvido e pro futuro fica a aprendizagem, né?!

    ResponderExcluir
  6. Fabi, só para te aliviar um pouquinho, lembre que em novembro já chove bastante em BSB, o que pode inviabilizar uma festa no parque, né? sempre foi meu sonho fazer piquenique para a Ciça, mas em fevereiro nunca rola...
    De qualquer forma, tente simplificar ao máximo o que ainda der!
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Own querida, compartilho da mesma opinião que vc, por isso nunca tive coragem de fazer festa em casa de festa. É muito dinheiro p/pouco tempo e não sei como é aí, mas aqui fazer essas festas é quase uma afirmação social, muitos nem fazem pela criança!

    Meus meninos são de 31/12 e no 1º final de semana de janeiro farei um churrasco com futebol e direito a chuveirão, piscina e muita brincadeira! Gastarei 1/3! rsrs!

    Bjão e faça o que seu coração mandar! =))

    ResponderExcluir
  8. Churrasco foi a ideia inicial do marido também! Que, aliás, propôs a mesma coisa quando falei em casamento (somos apenas juntados)... aí que cortei ele... marido não é muito criativo. Mas não é que a ideia dele era a mais sensata?!! Pq não percebi isso...

    Enfim, espero que o churras dos meninos seja um SUCESSO!!!
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Paloma, anjo... arrumando motivos para eu tranquilizar meu coração! Sua linda!! :-)

    Sua dica vai pra frente... simplificar é a palavra de ordem para o que ainda falta!
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Ah!! Vou curtir sim, com certeza! Mas primeiro deixa a lombra passar........ :-/

    ResponderExcluir
  11. Fabi, você realmente me fez pensar agora... Estava aqui já sonhando com a festinha de 1 ano da Helena e estava realmente pensando em casa de festa desta vez, já que estarei no Brasil.
    Mas agora acho que não vou mais encarar...
    Obrigada por nos fazer refletir!!!

    Beijo,
    Karen
    http://multiplicado-por-dois.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  12. Oi Fabi,
    Que bom saber que a festa do picnic te inspirou. Que bom que você está pela blogosfera e sabe que pode repensar suas atitudes e decisões. Sabe o que eu acho? Ainda dá tempo sim de você fazer diferente! O que está contratado, beleza. O que não está, inove! Se quiser, me manda email, minha cabeçca está sempre fervilhando de idéias!
    Beijo grande,
    Pri

    ResponderExcluir
  13. Fabi:

    Ainda dá tempo de colocar o "presente social" nessa festinha, por exemplo, e ensinar algo beeeeem bacana às meninas! Que alegria se divide, que presente não é o mais importante, que podemos ajudar outras pessoas em qualquer tempo, que amor se passa adiante. Pense nisso!

    E se quiser mais alguma ideia (pra decoração, comida, lembrancinha, brincadeira) que te deixe mais em paz consigo mesma, estou por aqui, ok? Estou sempre envolvida com comemorações e podemos pensar em algo juntas!!! Dizem que 2 cabeças pensam melhor do que uma... imagine várias!!!???!!!! (já vi que tem mais gente se disponibilizando a ajudar)

    Bjos e bençãos.
    Mirys
    www.diariodos3mosqueteiros.blogspot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Diz o que achou, conte da sua experiência.
Comenta! Suas palavras me inspiram...

Postagens mais visitadas deste blog

Parto da Jade

Passei a gestação inteira dizendo que ela chegaria no mês de julho. Estratégia para aplacar a ansiedade alheia, já que doce espera sempre teve mais a ver com puta agonia pra mim. Não vou mentir, parece piada, mas não consigo curtir gravidez. Passo muito mal no início, depois fico mega prostrada, minha irritabilidade alcança níveis desumanos (pergunta lá pro marido!) e, por fim, engordo absurdamente. Não vejo graça. Lógico que tem o lado bom da coisa. Cabelos sedosos, filas preferenciais e, claro, o bebê que tá lá dentro. Quando os chutes não miram suas costelas, posso garantir, não há melhor sensação no planeta.
A DPP (data prevista pro parto), dia em que a gestação alcança 40 semanas, era 27 de junho. Eu tinha toda a fé do mundo que ela chegaria bem antes disso. Era tanto cansaço que rolava, uma impaciência tão grande da minha pessoa, que o bebê obviamente desejaria sair logo dali. Ambiente desfavorável. E eu conversava incansavelmente com a barriga sobre as vantagens de se viver aqui…

O parto dos gêmeos - Parte 3 (final)

Depois de finalizar a burocracia da internação, fomos finalmente para o quarto onde ficamos acompanhando as contrações que estavam mais ou menos de 3 em 3 minutos. E assim seguiram até 5h da manhã quando tive uma parada de progressão. Parou. Tudo. Eu não sentia mais absolutamente nada. Lembro-me bem do medo. Medo de chegar até ali e acabar morrendo na praia. Eu estava então com 5 cm de dilatação. Voltar para casa não era mais possível. "- Só sairemos desse hospital com os bebês nos braços.", falou Dra. Caren. Juan ficou super ansioso com isso! Eu e Taíza começamos a caminhar pelo hospital, subimos e descemos as escadas. Todos olhavam para nós. Eu devia ser a maluca do parto normal de gêmeos. Chamamos uma acunpunturista para fazer uma sessão de indução. Taíza deu uma saída para preparar um chá especial pra mim, tomar um banho e trazer mais óleo de rícino pra eu tomar. E nada acontecia. Eu não sentia mais nada.




Já por volta das 15h30 do dia 18/09, após 10h esperando o retorno d…

Eu sou gorda?

Eu nem sei quantas vezes devo ter feito essa pergunta à minha mãe. Nem sei se a fiz um dia. Lembro de me olhar no espelho e ter uma única certeza... eu era gorda. Aliás, era essa a única forma de me magoar com palavras (e meus irmãos sabiam bem disso, valeu galera!!). Já fiz dietas loucas, já fiquei sem comer para compensar, já chorei litros porque o espelho era mau comigo. Sofri horrores a minha infância inteira por conta da barriga. Minhas amigas sempre eram baixinhas e magrinhas... eu sempre fui grande, larga, forte. Vendo as fotos antigas nem me acho gorda. Cheinha, talvez. Mas o bullying (agora que tem nome bonito não vou deixar de usar) sofrido por anos deixou marcas que me acompanham e ainda me assombram.
Depois que me tornei mãe da Júlia meu maior medo era que ela passasse pelo o que passei.
Com 1 mês e meio de vida Júlia começou a tomar complemento, pois eu não tinha leite (e nem informação) suficiente. Ela rapidamente ganhou peso e desde então sua barriguinha se mostrou salien…