Pular para o conteúdo principal

Obrigado por fumar

Imagem daqui
Não sou muito de assistir tv, mas o marido adora (na verdade AMA, não vive sem, me trocaria por ela...) e aí, às vezes, no intuito de ficar um pouco com o marido tenho que ficar um pouco com ela também. Outro dia, num desses momentos, assisti uns trechos de "O Astro", nova minissérie da globo. Fiquei impressionada com a quantidade de cenas com atores fumando! Sei que a minissérie é um remake - se é que alguém pensou nisso como justificativa - mas se tantas coisas são adaptadas ou melhoradas... isso poderia ser mais uma delas. Acho que a imagem do fumo é muito forte e poderosa. Ainda mais quando associada a pessoas bonitas, lugares mágicos e momentos de prazer (numa das cenas em questão dois garotões musculosos fumam enquanto jogam conversa fora na praia tomando sol, tá bom assim?). Juro que preocupo, porque diferente do que foi pra mim, quero que minhas filhas cresçam sabendo que cigarro é droga, que não faz a gente mais bonito, nem mais cool.

"Obrigado por fumar" é um filme que faz uma crítica muito bacana à liberdade de escolha num mundo dominado pela propaganda. Leia mais sobre o filme aqui. Num trecho do filme o protagonista tenta fazer com que os cigarros sejam promovidos nos filmes de Hollywood... e aí pergunto: quem será que tá pagando a Globo?

Comentários

  1. Fabiana, cigarro pra mim é o lixo dos lixos, odeio mesmo! Ainda não vi O astro, mas tb acho que poderiam muito bem ter atualizado essas cenas, afinal cigarro hoje em dia é totalmente out, não combina com beleza e natureza!
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Kelly, confesso que me causou até estranhamento... pq hj em dia o normal é o fumante se isolar... a exposição pareceu até forçada. Sei lá... achei um retrocesso...

    ResponderExcluir
  3. Amiiiga adorei a página nova!! Não tinha visto!! Ficou LINDA (apesar do sol não sorridente rsss)!! Quanta saudade de vc!! Nossos encontros nunca dão certo!! Snif... E sobre o tema "fumar" me preocupo diariamente, já que vivo com duas chaminés em casa!! Afff.... É um saco!! Torço para que Dudu veja o tanto que é fedido e ruim e nunca chegue perto de um cigarro!! Um suuuper bju pra vc sua lindaaaa!!! ;D

    ResponderExcluir
  4. Oi Fabiana!
    Nossa, me identifiquei totalmente com você. Não conheço esta novela, nem a antiga nem a original, heheheh, mas realmente, exemplos deste tipo são o fim.
    Aqui na Alemanha, infelizmente, fumar (ainda) é cool. Pode??? Torço muito para que o exemplo daqui de casa fale mais alto e que minhas filhas fiquem beeeeeem longe desta praga.

    Beijo,
    Karen
    http://multiplicado-por-dois.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Ai... que triste Karen... com o tudo que se sabe hj em dia achei que isso já não fosse cool em lugar nenhum.

    ResponderExcluir
  6. Oi, minha flor!! Vamos marcar, então??!! Será que essa quinta rola pra vc?!
    Preserva o Dudu dessa fumaceira aí... pra ele desenvolver doenças respiratórias é um passo só... enche esses dois aí de informações, publicações mil sobre o tanto que o fumante passivo sofre! O Juan e meu pai ainda fumam, sabe..., mas NUNCA dentro de casa e nem perto das meninas. E eu parei e não volto mais!!! :-)
    Saudades!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Diz o que achou, conte da sua experiência.
Comenta! Suas palavras me inspiram...

Postagens mais visitadas deste blog

Parto da Jade

Passei a gestação inteira dizendo que ela chegaria no mês de julho. Estratégia para aplacar a ansiedade alheia, já que doce espera sempre teve mais a ver com puta agonia pra mim. Não vou mentir, parece piada, mas não consigo curtir gravidez. Passo muito mal no início, depois fico mega prostrada, minha irritabilidade alcança níveis desumanos (pergunta lá pro marido!) e, por fim, engordo absurdamente. Não vejo graça. Lógico que tem o lado bom da coisa. Cabelos sedosos, filas preferenciais e, claro, o bebê que tá lá dentro. Quando os chutes não miram suas costelas, posso garantir, não há melhor sensação no planeta.
A DPP (data prevista pro parto), dia em que a gestação alcança 40 semanas, era 27 de junho. Eu tinha toda a fé do mundo que ela chegaria bem antes disso. Era tanto cansaço que rolava, uma impaciência tão grande da minha pessoa, que o bebê obviamente desejaria sair logo dali. Ambiente desfavorável. E eu conversava incansavelmente com a barriga sobre as vantagens de se viver aqui…

O parto dos gêmeos - Parte 3 (final)

Depois de finalizar a burocracia da internação, fomos finalmente para o quarto onde ficamos acompanhando as contrações que estavam mais ou menos de 3 em 3 minutos. E assim seguiram até 5h da manhã quando tive uma parada de progressão. Parou. Tudo. Eu não sentia mais absolutamente nada. Lembro-me bem do medo. Medo de chegar até ali e acabar morrendo na praia. Eu estava então com 5 cm de dilatação. Voltar para casa não era mais possível. "- Só sairemos desse hospital com os bebês nos braços.", falou Dra. Caren. Juan ficou super ansioso com isso! Eu e Taíza começamos a caminhar pelo hospital, subimos e descemos as escadas. Todos olhavam para nós. Eu devia ser a maluca do parto normal de gêmeos. Chamamos uma acunpunturista para fazer uma sessão de indução. Taíza deu uma saída para preparar um chá especial pra mim, tomar um banho e trazer mais óleo de rícino pra eu tomar. E nada acontecia. Eu não sentia mais nada.




Já por volta das 15h30 do dia 18/09, após 10h esperando o retorno d…

Eu sou gorda?

Eu nem sei quantas vezes devo ter feito essa pergunta à minha mãe. Nem sei se a fiz um dia. Lembro de me olhar no espelho e ter uma única certeza... eu era gorda. Aliás, era essa a única forma de me magoar com palavras (e meus irmãos sabiam bem disso, valeu galera!!). Já fiz dietas loucas, já fiquei sem comer para compensar, já chorei litros porque o espelho era mau comigo. Sofri horrores a minha infância inteira por conta da barriga. Minhas amigas sempre eram baixinhas e magrinhas... eu sempre fui grande, larga, forte. Vendo as fotos antigas nem me acho gorda. Cheinha, talvez. Mas o bullying (agora que tem nome bonito não vou deixar de usar) sofrido por anos deixou marcas que me acompanham e ainda me assombram.
Depois que me tornei mãe da Júlia meu maior medo era que ela passasse pelo o que passei.
Com 1 mês e meio de vida Júlia começou a tomar complemento, pois eu não tinha leite (e nem informação) suficiente. Ela rapidamente ganhou peso e desde então sua barriguinha se mostrou salien…