Pular para o conteúdo principal

O sono

Joana recém-nascida
Boas novas!

Os últimos meses foram bem difíceis por conta do sono (na verdade por conta da falta dele). Joana estava acordando mais ou menos de 2h em 2h. Eu estava MUITO cansada. Tratei de entrar pro time da cama compartilhada... mesmo meio a contragosto do marido. Foi a minha salvação! Pelo menos eu ficava na horizontal e tinha algum momento de descanso. Só que eu não consigo dormir profundamente junto dela. Uma porque a cama fica muito apertada (os bebês são incrivelmente espaçosos!!) e outra porque eu sempre tive receio de machucá-la (eu ou o pai) ou de sufocá-la (porque eu me cubro até os olhos). Enfim, compartilhar a cama funcionava em partes. Funcionava quando a exaustão era tamanha que poder cochilar já era lucro. 

O cansaço estava me deixando um tanto desgostosa da vida. Ficava mais irritada que o normal (lembra que eu sou fera?) e andava também sem vontade de coisa alguma. Lidar com as exigências diárias estava bem difícil e o casamento tava meio largado coitado. O tempo foi passando e as coisas foram... piorando. Joana começou a despertar assim que a colocava no berço. Ô trem chato! Ela nunca deu trabalho para cair no sono... (diferente da Júlia que quando bebê exigia bem mais atenção e energia relutando - às vezes - horas para dormir) mas o dorme/acorda me dava nos nervos. Sei que numa noite qualquer há mais ou menos 1 semana e meia atrás pensei que fazê-la dormir já no berço talvez fosse ajudá-la.

Preferi esperar alguns dias para vir aqui e registrar que MILAGROSAMENTE funcionou! E como tem dado certo!! Resisti um pouco em aplicar essa "técnica" porque eu gosto demais de tê-la em meus braços... niná-la ao som de brrrrrussss... ssshhhhhiiiiiiisssss... e huuuummmm... Amo! Abrir mão disso não era muito o que eu queria, mas resolvi observar se isso não seria o melhor pra ELA. E a rotina passou a ser assim: ofereço o peito o tanto que ela quiser (varia bastante... tem dias que ela fica uns 20 minutos mamando e tem dias que ela não mama nem 5) e enquanto ela mama eu faço carinho nela. Depois coloco ela em pé no meu colo para arrotar e vou fazendo mais carinho. Nessa hora ela já está bem molinha, mas ainda acordada. Aí eu a coloco no berço de bruços (porque tal qual a irmã é a posição de sucesso!) e sigo fazendo cafuné balançando suavemente o corpinho dela. Se rola uma agitação eu faço também um som tipo ssshhhhhhhhiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii... Ela tem dormido entre 20h/21h e, geralmente, só acorda uma vez pela madrugada, despertando umas 6h (tá... isso pra mim ainda é madrugada e então eu a levo pra minha cama e enrolo ela por lá até umas 8h).

Alívio??!!! Mais que isso... sensação de missão cumprida! Um orgulho danado de ter conseguido entender a necessidade da minha filha mesmo sendo diferente do que eu gostaria. E como é bom dormir!!!

Boa noite!

Comentários

  1. Fabi, se está dando certo, continue com o esquema! Esta é uma das técnicas da Elizabeth Pantley (Soluções para Noites sem Choro), sabia? Eu não comecei a aplicar as técnicas sugeridas ainda porque o marido está longe, mas só de entender os mecanismos do sno eu já obtive ganhos aqui: estou colocando-a para dormir beeem mais cedo e ela tem dormido mais e melhor. Incrível. Eu percebi que estava fazendo o que julgava ser melhor para a rotina da casa e não para ela. Bebês precisam dormir cedo.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. êeee! Viva! Aqui as noites estão meio marromenos. Emília estava dormindo super bem, mas de um ou dois meses pra cá, tem acordado 2 ou 3x por noite. Pelo menos agora ela aceita ficar com o papai...

    ResponderExcluir
  3. Fabi, parabééééns!1
    Ai, que inveja...ainda nao consegui essa proeza, dorme todo mundo comigo e ja to mais que irritada...ehehehe
    Esses dias decidi que vou esperar o verão e botar cada um no seu quadrado (porque confesso que ontem tava tão frio que foi até bom dormir com eles...heehhehe

    Grade beijo e sucesso na empreitada

    ResponderExcluir
  4. Paloma, já li o Soluções sim... Júlia era bebê e dava muito trabalho para dormir... eu quis morrer depois de ler o Nana Nené, mas aí recebi a indicação da E. Pantley por uma lista de mães que eu participava... 6 anos atrás. Para a Júlia nada resolveu. Foi barra! Mas acho que faltava muita maturidade da minha parte... e esse olhar sensível que hoje consigo ter para as necessidade do bebê. Acho que ela era um bebê High-need... mas só descobri isso outro dia. Quero tentar colocar Joana pra dormir mais cedo também... mas a gente chega 19h em casa... aí até ela dar uma desacelerada... já são 20h/20h30. Enfim, mas tá melhorando!! Beijos

    ResponderExcluir
  5. Lia, acho que Emília já tá sentindo que vem baby por aí, não?!!! Ah! Tô doida pelo seu contato de produtos orgânicos!
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Parabéns por mais uma etapa superada..e vamo que vamo rs
    Bjos e linda semana!

    ResponderExcluir
  7. Fabi,
    Te entendo! Dormir é muito bom! Por aqui só a cama compartilhada funciona, mas ao menos funciona pq eu não tenho medo de machucá-lo!
    Tinha no início, mas percebi que não tinha porque, nunca cheguei nem perto de machucá-lo e acordo super fácil.

    ResponderExcluir
  8. Fabiana, li um monte de posts seus atrasados e atuais e me deliciei: como vc escrevem beeeemmm. Eu tenho um monte de coisas que quero escrever tb, só falta tempo pq não sei ainda abrir mão de ficar sem o Erikinho, nem quero rs

    Tb amoooo ficar ninando o Erik e não estou nem aí para quem diz q isso é um péssimo costume...dou tanto amor e ele se embreaga disso, dorme no berço desde o primeiro mes e fiz algo muito semelhante ao q vc fez, só q eu não li livro nenhum
    bjossss

    ResponderExcluir
  9. Até a hora de eles apagarem é assim mesmo, um sufoco, um vira e mexe, cada um do seu jeitinho e maneira... mas quando finalmente dormem, a sensação é esta mesmo... "de dever cumprido " !!!

    Abraço pra ti e estas filhotas lindas !!

    ResponderExcluir
  10. OI Fabiana,
    também ficava exausta com as noites mal dormidas. Acabei cedendo para a cama compartilhada e não usei outra técnica.
    Que bom que funcionou e que agora está mais descansada. Dormir é TUDO.
    beijos
    Chris
    http://inventandocomamamae.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  11. Que maravilha!!!!! Nada como noites bem dormidas para uma mamãe mais feliz, não?
    Helena ainda acorda duas vezes por noite, mas nem abre os olhos, só mama e volta a dormir. Agora estou querendo colocá-la no berço, pois ela ainda dorme bem grudadinha comigo... Espero conseguir!

    Beijos,
    Karen
    http://multiplicado-por-dois.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Diz o que achou, conte da sua experiência.
Comenta! Suas palavras me inspiram...

Postagens mais visitadas deste blog

Parto da Jade

Passei a gestação inteira dizendo que ela chegaria no mês de julho. Estratégia para aplacar a ansiedade alheia, já que doce espera sempre teve mais a ver com puta agonia pra mim. Não vou mentir, parece piada, mas não consigo curtir gravidez. Passo muito mal no início, depois fico mega prostrada, minha irritabilidade alcança níveis desumanos (pergunta lá pro marido!) e, por fim, engordo absurdamente. Não vejo graça. Lógico que tem o lado bom da coisa. Cabelos sedosos, filas preferenciais e, claro, o bebê que tá lá dentro. Quando os chutes não miram suas costelas, posso garantir, não há melhor sensação no planeta.
A DPP (data prevista pro parto), dia em que a gestação alcança 40 semanas, era 27 de junho. Eu tinha toda a fé do mundo que ela chegaria bem antes disso. Era tanto cansaço que rolava, uma impaciência tão grande da minha pessoa, que o bebê obviamente desejaria sair logo dali. Ambiente desfavorável. E eu conversava incansavelmente com a barriga sobre as vantagens de se viver aqui…

O parto dos gêmeos - Parte 3 (final)

Depois de finalizar a burocracia da internação, fomos finalmente para o quarto onde ficamos acompanhando as contrações que estavam mais ou menos de 3 em 3 minutos. E assim seguiram até 5h da manhã quando tive uma parada de progressão. Parou. Tudo. Eu não sentia mais absolutamente nada. Lembro-me bem do medo. Medo de chegar até ali e acabar morrendo na praia. Eu estava então com 5 cm de dilatação. Voltar para casa não era mais possível. "- Só sairemos desse hospital com os bebês nos braços.", falou Dra. Caren. Juan ficou super ansioso com isso! Eu e Taíza começamos a caminhar pelo hospital, subimos e descemos as escadas. Todos olhavam para nós. Eu devia ser a maluca do parto normal de gêmeos. Chamamos uma acunpunturista para fazer uma sessão de indução. Taíza deu uma saída para preparar um chá especial pra mim, tomar um banho e trazer mais óleo de rícino pra eu tomar. E nada acontecia. Eu não sentia mais nada.




Já por volta das 15h30 do dia 18/09, após 10h esperando o retorno d…

Eu sou gorda?

Eu nem sei quantas vezes devo ter feito essa pergunta à minha mãe. Nem sei se a fiz um dia. Lembro de me olhar no espelho e ter uma única certeza... eu era gorda. Aliás, era essa a única forma de me magoar com palavras (e meus irmãos sabiam bem disso, valeu galera!!). Já fiz dietas loucas, já fiquei sem comer para compensar, já chorei litros porque o espelho era mau comigo. Sofri horrores a minha infância inteira por conta da barriga. Minhas amigas sempre eram baixinhas e magrinhas... eu sempre fui grande, larga, forte. Vendo as fotos antigas nem me acho gorda. Cheinha, talvez. Mas o bullying (agora que tem nome bonito não vou deixar de usar) sofrido por anos deixou marcas que me acompanham e ainda me assombram.
Depois que me tornei mãe da Júlia meu maior medo era que ela passasse pelo o que passei.
Com 1 mês e meio de vida Júlia começou a tomar complemento, pois eu não tinha leite (e nem informação) suficiente. Ela rapidamente ganhou peso e desde então sua barriguinha se mostrou salien…