Pular para o conteúdo principal

O lado bom da culpa

Imagem daqui
As mães e a culpa andam de mãos dadas. Mas isso não é novidade. Já cansei de ver mães reclamando da tal culpa. Não deve ter um blog sequer escrito por uma mãe sem o item "culpa" na nuvem de marcadores. Já cansei de chorar a culpa.

A culpa me faz mais questionadora. Exemplo. Se eu grito com minha filha logo me sinto culpada por não conseguir me comunicar com ela de uma maneira eficaz. Então a culpa (que, aliás, é um sentimento horrível... ardido, angustiante) me faz lembrar que eficiência na comunicação com crianças envolve muita disposição, criatividade e paciência. Acontece que ao final do dia eu estou com a carga arriada de cada um desses itens. Claro que as noites mal dormidas contribuem (MUITO) para isso, claro que as frustrações profissionais contribuem para isso, claro que as necessidades pessoais (geralmente jogadas em segundo, terceiro, quarto, quinto... plano) não atendidas contribuem para isso. Não fosse pela culpa todos esses fatos se tornariam justificativas aceitáveis para a minha incapacidade de me comunicar com minha filha naquele momento. E, antes que a primeira voz se levante para me lembrar que eu sou um ser humano antes de ser mãe, já digo logo... Júlia é um ser humano antes de ser filha. As atitudes "intoleráveis" dela que me fizeram recorrer ao grito também podem ser justificadas por um dia difícil na escola em que uma amiguinha a esnobou ou uma tarefa complicada que a fez se sentir inferior ou um olhar da mãe para a irmã que a fez se sentir menos amada. Crianças também tem dificuldades e dores. São diferentes, mas tão intensas para os pequenos quanto é intenso para nós a conta não sair do vermelho. 

A culpa é o que me faz saber que não agi da melhor maneira possível. Sem ela eu estaria cheia de razão. 

Comentários

  1. Adorei sua reflexão, Fabiana. Me identifiquei.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Eu costumo dizer que mães são seres que nascem predestinados à culpa como vc bem relatou no começo do texto...mas gostei da sua visão a respeito, faz a gente olhar por outro ângulo e realmente achar o lado bom da culpa. Otimo post. Parabéns! Bjinhos!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Diz o que achou, conte da sua experiência.
Comenta! Suas palavras me inspiram...

Postagens mais visitadas deste blog

Parto da Jade

Passei a gestação inteira dizendo que ela chegaria no mês de julho. Estratégia para aplacar a ansiedade alheia, já que doce espera sempre teve mais a ver com puta agonia pra mim. Não vou mentir, parece piada, mas não consigo curtir gravidez. Passo muito mal no início, depois fico mega prostrada, minha irritabilidade alcança níveis desumanos (pergunta lá pro marido!) e, por fim, engordo absurdamente. Não vejo graça. Lógico que tem o lado bom da coisa. Cabelos sedosos, filas preferenciais e, claro, o bebê que tá lá dentro. Quando os chutes não miram suas costelas, posso garantir, não há melhor sensação no planeta.
A DPP (data prevista pro parto), dia em que a gestação alcança 40 semanas, era 27 de junho. Eu tinha toda a fé do mundo que ela chegaria bem antes disso. Era tanto cansaço que rolava, uma impaciência tão grande da minha pessoa, que o bebê obviamente desejaria sair logo dali. Ambiente desfavorável. E eu conversava incansavelmente com a barriga sobre as vantagens de se viver aqui…

O parto dos gêmeos - Parte 3 (final)

Depois de finalizar a burocracia da internação, fomos finalmente para o quarto onde ficamos acompanhando as contrações que estavam mais ou menos de 3 em 3 minutos. E assim seguiram até 5h da manhã quando tive uma parada de progressão. Parou. Tudo. Eu não sentia mais absolutamente nada. Lembro-me bem do medo. Medo de chegar até ali e acabar morrendo na praia. Eu estava então com 5 cm de dilatação. Voltar para casa não era mais possível. "- Só sairemos desse hospital com os bebês nos braços.", falou Dra. Caren. Juan ficou super ansioso com isso! Eu e Taíza começamos a caminhar pelo hospital, subimos e descemos as escadas. Todos olhavam para nós. Eu devia ser a maluca do parto normal de gêmeos. Chamamos uma acunpunturista para fazer uma sessão de indução. Taíza deu uma saída para preparar um chá especial pra mim, tomar um banho e trazer mais óleo de rícino pra eu tomar. E nada acontecia. Eu não sentia mais nada.




Já por volta das 15h30 do dia 18/09, após 10h esperando o retorno d…

Eu sou gorda?

Eu nem sei quantas vezes devo ter feito essa pergunta à minha mãe. Nem sei se a fiz um dia. Lembro de me olhar no espelho e ter uma única certeza... eu era gorda. Aliás, era essa a única forma de me magoar com palavras (e meus irmãos sabiam bem disso, valeu galera!!). Já fiz dietas loucas, já fiquei sem comer para compensar, já chorei litros porque o espelho era mau comigo. Sofri horrores a minha infância inteira por conta da barriga. Minhas amigas sempre eram baixinhas e magrinhas... eu sempre fui grande, larga, forte. Vendo as fotos antigas nem me acho gorda. Cheinha, talvez. Mas o bullying (agora que tem nome bonito não vou deixar de usar) sofrido por anos deixou marcas que me acompanham e ainda me assombram.
Depois que me tornei mãe da Júlia meu maior medo era que ela passasse pelo o que passei.
Com 1 mês e meio de vida Júlia começou a tomar complemento, pois eu não tinha leite (e nem informação) suficiente. Ela rapidamente ganhou peso e desde então sua barriguinha se mostrou salien…