Pular para o conteúdo principal

A catapora e a minha sombra

UMA VISÃO DIFERENTE DAS DOENÇAS MAIS FREQUENTES NA PRIMEIRA INFÂNCIA

Assim como os adultos precisam da doença para materializar e compreender com maior exatidão seus desequilíbrios, os bebês e as crianças pequenas também funcionam como espelho da desarmonia dos adultos com os quais estão em fusão. O corpo se constitui em uma abertura emocional e espiritual tal que permite manifestar as partes da sombra da mãe que ela esteja disposta a alçar à sua própria consciência.

Diante das doenças, os seres humanos só tem perguntas, e não é meu propósito fazer crer que disponho de uma arsenal de respostas. Ao contrário, minha proposta é gerar cada vez mais perguntas. O corpo da criança é uma grande oportunidade, uma vez que a preocupação com o bem-estar dos filhos pode nos ajudar a ampliar nosso sistema de crenças e a procurar um pouco mais além e, sobretudo, a não considerar definitiva nenhuma resposta, por mais acertada que pareça.

Procurando respostas para as doenças ou manifestações incômodas das crianças pequenas, farei uma abordagem com uma progressão definida:
1. Verificar se as necessidades básicas das crianças estão atendidas (refiro-me ao contato corporal adequado com a mãe ou a figura materna, à fusão emocional, à alimentação adequada, ao olhar voltado à sua especificidade de ser humano pequeno, ao respeito pelos seus ritmos de sono e vigília, ao calor humano, ao nível de felicidade em seu entorno etc.). É muito importante não perder de vista que o básico é prioritário. Não podemos falar de felicidade se há fome, uma vez que, com o afã de encontrar a sombra da mãe na angústia de uma criança, esquecemo-nos de começar pelo mais simples.
2. Busca da sombra da mãe. Isto é usualmente possível com apoio externo, ou seja, com a assistência de uma elaboração terapêutica de qualquer tipo (introspecção, meditação, técnicas corporais, conversas com amigos etc.). Estamos nos referindo à sombra, ou seja, àquilo que não está no alcance da vista. É muita prepotência acreditar que só de pensar estaremos em condições de resolver nossos conflitos presentes ou passados. As mulheres que se transformam em mães a se sentir onipotentes e, portanto, muito espertas. Se fosse tão óbvio assim, não teríamos precisado relegá-los à sombra.
3. Nos casos das crianças maiores de 2 anos, às vezes deparamos com o início da constituição de sua própria sombra. Paralelamente à estruturação do eu separado aparece também seu eu oculto, partes da sombra que se referem à sua própria e individual experiência. Além disso, as crianças com mais de 2 anos manifestam, às vezes, parte da sombra do pai ou de outra pessoa com quem iniciam uma relação afetiva importante.
4. Há outro aspecto da sombra da mãe que é ativado com o nascimento dos filhos e costumo chamar de "a mãe interior que nos habita". Sobre esse tema, também falaremos mais adiante.

Em linhas gerais, podemos afirmar que buscar a saúde da criança pequena equivale a liberá-la da sombra de sua mãe. Para isso, é indispensável que as mães comecem a se questionar com maior humildade, em vez de relatar comodamente as doenças de seus filhos, como se fossem fatos alheios a seu próprio entendimento emocional.

Grifo meu


+++

Dois dias após ler esse trecho do livro (e ficar verdadeiramente incomodada com a reflexão proposta) tenho o diagnóstico. Júlia e Joana estão com catapora. Resultado: pelo menos uma semana de repouso e quarentena. Curiosíssimo não?! Eu que andava me arrastando, eu que estava pedindo quase que diariamente que o relógio parasse, eu que andava triste por ter pouco tempo de qualidade com a Júlia (perceber a carência dela e não conseguir supri-la me corrói por dentro), eu que queria "lamber" mais o meu bebê. 

Comentários

  1. Intrigante...
    Melhoras a todos!
    Catapora em dois é osso!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Ai, Ana... me abraça???!rs
    Tá OSSO! Falou tudo...
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Uau!
    Intrigante é a palavra certa...
    Catapora é dureza, hein? Que suas filhas se recuperem bem. Força aí. =)

    Fabiana, há dias quero passar aqui, pra retribuir o carinho que recebo de ti lá no blog. Obrigada, viu???

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Nossa, Fabi!
    Que coisa mais interessante...
    Não tinha nunca pensado nisso!
    Mas se na gente as doenças são manifestações das necessidades do corpo, mente e alma, imagine nas crianças, né?
    A sombra da mãe foi fantástico!
    Vou parar melhor para pensar nisso.
    Desejo melhoras às meninas e muita paciência a você...
    Beijo grande!

    ResponderExcluir
  5. Intrigante...
    Melhoras a todos!
    Catapora em dois é osso!
    Beijos!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Diz o que achou, conte da sua experiência.
Comenta! Suas palavras me inspiram...

Postagens mais visitadas deste blog

Parto da Jade

Passei a gestação inteira dizendo que ela chegaria no mês de julho. Estratégia para aplacar a ansiedade alheia, já que doce espera sempre teve mais a ver com puta agonia pra mim. Não vou mentir, parece piada, mas não consigo curtir gravidez. Passo muito mal no início, depois fico mega prostrada, minha irritabilidade alcança níveis desumanos (pergunta lá pro marido!) e, por fim, engordo absurdamente. Não vejo graça. Lógico que tem o lado bom da coisa. Cabelos sedosos, filas preferenciais e, claro, o bebê que tá lá dentro. Quando os chutes não miram suas costelas, posso garantir, não há melhor sensação no planeta.
A DPP (data prevista pro parto), dia em que a gestação alcança 40 semanas, era 27 de junho. Eu tinha toda a fé do mundo que ela chegaria bem antes disso. Era tanto cansaço que rolava, uma impaciência tão grande da minha pessoa, que o bebê obviamente desejaria sair logo dali. Ambiente desfavorável. E eu conversava incansavelmente com a barriga sobre as vantagens de se viver aqui…

O parto dos gêmeos - Parte 3 (final)

Depois de finalizar a burocracia da internação, fomos finalmente para o quarto onde ficamos acompanhando as contrações que estavam mais ou menos de 3 em 3 minutos. E assim seguiram até 5h da manhã quando tive uma parada de progressão. Parou. Tudo. Eu não sentia mais absolutamente nada. Lembro-me bem do medo. Medo de chegar até ali e acabar morrendo na praia. Eu estava então com 5 cm de dilatação. Voltar para casa não era mais possível. "- Só sairemos desse hospital com os bebês nos braços.", falou Dra. Caren. Juan ficou super ansioso com isso! Eu e Taíza começamos a caminhar pelo hospital, subimos e descemos as escadas. Todos olhavam para nós. Eu devia ser a maluca do parto normal de gêmeos. Chamamos uma acunpunturista para fazer uma sessão de indução. Taíza deu uma saída para preparar um chá especial pra mim, tomar um banho e trazer mais óleo de rícino pra eu tomar. E nada acontecia. Eu não sentia mais nada.




Já por volta das 15h30 do dia 18/09, após 10h esperando o retorno d…

Eu sou gorda?

Eu nem sei quantas vezes devo ter feito essa pergunta à minha mãe. Nem sei se a fiz um dia. Lembro de me olhar no espelho e ter uma única certeza... eu era gorda. Aliás, era essa a única forma de me magoar com palavras (e meus irmãos sabiam bem disso, valeu galera!!). Já fiz dietas loucas, já fiquei sem comer para compensar, já chorei litros porque o espelho era mau comigo. Sofri horrores a minha infância inteira por conta da barriga. Minhas amigas sempre eram baixinhas e magrinhas... eu sempre fui grande, larga, forte. Vendo as fotos antigas nem me acho gorda. Cheinha, talvez. Mas o bullying (agora que tem nome bonito não vou deixar de usar) sofrido por anos deixou marcas que me acompanham e ainda me assombram.
Depois que me tornei mãe da Júlia meu maior medo era que ela passasse pelo o que passei.
Com 1 mês e meio de vida Júlia começou a tomar complemento, pois eu não tinha leite (e nem informação) suficiente. Ela rapidamente ganhou peso e desde então sua barriguinha se mostrou salien…