Pular para o conteúdo principal

Sugestão de Leitura (Especial Dia das Mães)

Imagem daqui
A sugestão de leitura da semana será especialmente para as mamães!
Terapia do Ser Mãe é daqueles livros pequeninos auto-ajuda que ficam na bancada da livraria e que a gente nem dá muita bola, mas sempre folhea, sabe?! Escrito por Molly Wigand, publicado pela Editora Paulus, o livreto me encantou. Ele tem aquele modelo de citações diárias... uma "lição" para cada dia. Antes de dormir pego o livrinho, fecho os olhos e esvazio minha mente. Abro em uma página qualquer e recebo a "lição" do dia. Interessante como é sempre algo que eu preciso ouvir. Divertido, leve e intenso. Fica a dica!

Comentários

  1. Oi Fabiana!
    Ofereça o máximo que puder o peito sim. Inclusive de madrugada, que é o pico do hormônio que produz o leite!
    São quantas refeições ao dia? O correto são 2 salgadas e uma de frutas, o resto é peito!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Olha, todas as mães que mandam o bebe para a escolinha dizem que ele mama muito mais durante a noite. Não por fome, mas para matar a saudade, ganhar o aconchego que faltou durante o dia... E tem os picos de crescimento, os saltos de desenvolvimentos que também fazem com que o bebê mame mais durante a noite (e durante o dia também, muitas vezes).
    Acho que se vc for gradualmente fazendo ela voltar a mamar mais, vc consegue! Tente usar uma bombinha quando ela não estiver contigo, ajuda no estímulo e com o tempo o leite aumenta!
    Confie em si que é o primeiro e maior passo!
    Sorte e sucesso!

    ResponderExcluir
  3. @rapha: obrigada pela força! Vou encarar esse desafio de "peito" aberto!!

    ResponderExcluir
  4. Oi Fabiana,

    já anotei a dica.

    Aproveito para te desejar um Dia das Mães maravilhoso cercado de carinho e beijinhos.
    beijos
    Chris
    http://inventandocomamamae.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Diz o que achou, conte da sua experiência.
Comenta! Suas palavras me inspiram...

Postagens mais visitadas deste blog

Parto da Jade

Passei a gestação inteira dizendo que ela chegaria no mês de julho. Estratégia para aplacar a ansiedade alheia, já que doce espera sempre teve mais a ver com puta agonia pra mim. Não vou mentir, parece piada, mas não consigo curtir gravidez. Passo muito mal no início, depois fico mega prostrada, minha irritabilidade alcança níveis desumanos (pergunta lá pro marido!) e, por fim, engordo absurdamente. Não vejo graça. Lógico que tem o lado bom da coisa. Cabelos sedosos, filas preferenciais e, claro, o bebê que tá lá dentro. Quando os chutes não miram suas costelas, posso garantir, não há melhor sensação no planeta.
A DPP (data prevista pro parto), dia em que a gestação alcança 40 semanas, era 27 de junho. Eu tinha toda a fé do mundo que ela chegaria bem antes disso. Era tanto cansaço que rolava, uma impaciência tão grande da minha pessoa, que o bebê obviamente desejaria sair logo dali. Ambiente desfavorável. E eu conversava incansavelmente com a barriga sobre as vantagens de se viver aqui…

Eu sou gorda?

Eu nem sei quantas vezes devo ter feito essa pergunta à minha mãe. Nem sei se a fiz um dia. Lembro de me olhar no espelho e ter uma única certeza... eu era gorda. Aliás, era essa a única forma de me magoar com palavras (e meus irmãos sabiam bem disso, valeu galera!!). Já fiz dietas loucas, já fiquei sem comer para compensar, já chorei litros porque o espelho era mau comigo. Sofri horrores a minha infância inteira por conta da barriga. Minhas amigas sempre eram baixinhas e magrinhas... eu sempre fui grande, larga, forte. Vendo as fotos antigas nem me acho gorda. Cheinha, talvez. Mas o bullying (agora que tem nome bonito não vou deixar de usar) sofrido por anos deixou marcas que me acompanham e ainda me assombram.
Depois que me tornei mãe da Júlia meu maior medo era que ela passasse pelo o que passei.
Com 1 mês e meio de vida Júlia começou a tomar complemento, pois eu não tinha leite (e nem informação) suficiente. Ela rapidamente ganhou peso e desde então sua barriguinha se mostrou salien…

As primeiras 24 horas com fraldas laváveis

Fiquei MUITO feliz quando elas chegaram! Eu estava há muito tempo querendo aderir às fraldas laváveis... mas demorei uns 4 meses para fazer do desejo realidade. Isso porque tinha medo de gastar dinheiro que não tenho com algo que não desse certo. Pesquisei, pesquisei, conversei, conversei... fiz questão de conhecer marcas nacionais antes de apelar para as "gringa" (até porque achava que sairia mais barato... ledo engano!) para dar uma força ao que é nosso, feito por gente como a gente!rs Mas no final das contas acabava sempre ouvindo a mesma coisa... que a BumGenius era uma das melhores... que não vazava nada. Bom, como o que é good nós num have ($$$) resolvi fazer o investimento na marca que se mostrava garantia de sucesso.
As primeiras 24 horas não poderiam ter sido melhores! Sucesso TOTAL! 
Não tive problemas para ajustar o tamanho da fralda na Joana. Esse modelo que comprei (4.0) é One Size, ou seja, vai do bebê recém-nascido até os seus 16kg. Joaninha já deve estar com un…