Pular para o conteúdo principal

Você conhece Maurício Leite?

Imagem de http://www.ocontadordehistorias.com
Ontem foi o Dia Nacional do Livro Infantil - data escolhida em homenagem ao aniversário de Monteiro Lobato (um dos mais brilhantes escritores brasileiros do século XX). Não teria dia mais oportuno para assistir a uma palestra com Maurício Leite. Esse encontro fascinante foi promovido pela escola das meninas. Um presente aos pais/cuidadores!


Maurício Leite é uma figura ímpar. Chegou com ar de cansado e disse que estava com preguiça! Para quem é acostumado a falar para crianças, o papo com adultos deve ser mesmo bem menos estimulante. Mas ele foi incrível! Logo se apresentou contando um pouco da sua tragetória de vida... de "menino do mato" criado na roça ao andarilho singular que vai de canto a outro do globo promovendo leitura. Atualmente, reside em Portugal (Cascais) por não ter trabalho por aqui! Mais um brasileiro que brilha aos olhos do mundo, mas não é valorizado no próprio berço.

Maurício Leite é um artista encantador educador. Arte-educador. E isso é bem mais que apenas um nome bonito dado aos professores de artes. Ele ensina movido pela paixão. Paixão pelos livros. Certo de que bons leitores são formados desde pequeninos, idealizou o Projeto Mala de Leitura e passou a carregar uma mala lotada de livros, livros de todos os jeitos. Levou essa mala aos lugares mais remotos onde as crianças não tinham acesso à leitura. Muitas conheceram um livro através de suas mãos. Trabalhou com índios, foi da África à Europa com a missão de transmitir conhecimento e cultura.

“Acredito que as melhores formas de desenvolvimento
de um país são a educação e a leitura. A primeira nos dá instrução;
a segunda, cultura. Sem educação e sem cultura, não há desenvolvimento.”

Maurício Leite

O encontro ficou ainda mais gostoso quando Maurício leu para nós! Ele nos contemplou primeiramente com "O Sindicato dos Burros" escrito em 1974 por Fernando Correia da Silva e ilustrado por Maurício Veneza, publicado pela Editora Lê. Depois veio "O Julgamento do Chocolate" escrito por Alexandre de Castro Gomes e ilustrado por Conceição Bicalho, publicado pela Editora RHJ. Divertidíssimo! Mas também teve drama... "Fico à espera" escrito por Davide Cali, ilustrado por Serge Bloch e traduzido para o português por Marcos Siscar, publicado pela Editora Cosac Naify. Muito emocionante... fiquei com os olhos cheios d'água. Por fim, para responder à pergunta de uma mãe sobre a influência (negativa) da televisão sobre a leitura, ele encabeçou o "Liga-Desliga" escrito por Camila Franco, Jarbas Agnelli e Marcelo Pires, publicado pela Editora Companhia das Letrinhas. Sensacional! Fica a dica.


Maurício Leite lendo "O Sindicato dos Burros"

O último momento do encontro foi marcado pela abertura da Mala de Leitura. Maurício nos mostrou um pouco dos seus "tesouros". Livros em formato de caixas, brinquedos artesanais incríveis, livros minúsculos e livros que traziam histórias além de suas letras. Por fim, ele falou da responsabilidade que temos nas mãos. Ressaltou a importância fundamental da participação dos pais/cuidadores na formação do intelecto infantil. As crianças são apresentadas a tantos estímulos externos que mínguam momentos reflexivos ou imaginativos. O computador, a televisão, o shopping... ocuparam lugares importantes no cotidiano infanto-juvenil criando uma legião de TDAH's e a geração Ritalina. O estímulo pelo prazer da leitura é também um exercício de resgate à cultura, à história, ao conhecimento. Repetindo as palavras do Maurício, o maior legado que nós pais/cuidadores podemos deixar aos nossos filhos é conhecimento e cultura. Isso é poder.

Maurício e a Mala

Só tenho a agradecer à escola e ao Maurício Leite pela oportunidade desse encontro de luz. Maurício, foi um imenso prazer!

**Texto escrito por uma mãe viciada em computador, que tem por programa favorito passear no shopping, mas que aprendeu a duras risadas a real importância de educar crianças apresentando um mundo bem maior que nosso umbigo. Um mundo em que nossos desejos são apenas minúsculas partículas do todo. Um mundo de diversas caras e cores. Um mundo de ar, terra, água, animais e flores.**

Momento tiete

Comentários

  1. Que tudo!
    E não é verdade?
    A única coisa que levamos não é o que o dinheiro compra mas o nosso conhecimento.
    É tão poderoso que abre portas em qualquer lugar
    do mundo :)
    Bjs!

    ResponderExcluir
  2. Ele foi na minha escola,as 3 ultimas fotos são do meu colegio!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Diz o que achou, conte da sua experiência.
Comenta! Suas palavras me inspiram...

Postagens mais visitadas deste blog

Parto da Jade

Passei a gestação inteira dizendo que ela chegaria no mês de julho. Estratégia para aplacar a ansiedade alheia, já que doce espera sempre teve mais a ver com puta agonia pra mim. Não vou mentir, parece piada, mas não consigo curtir gravidez. Passo muito mal no início, depois fico mega prostrada, minha irritabilidade alcança níveis desumanos (pergunta lá pro marido!) e, por fim, engordo absurdamente. Não vejo graça. Lógico que tem o lado bom da coisa. Cabelos sedosos, filas preferenciais e, claro, o bebê que tá lá dentro. Quando os chutes não miram suas costelas, posso garantir, não há melhor sensação no planeta.
A DPP (data prevista pro parto), dia em que a gestação alcança 40 semanas, era 27 de junho. Eu tinha toda a fé do mundo que ela chegaria bem antes disso. Era tanto cansaço que rolava, uma impaciência tão grande da minha pessoa, que o bebê obviamente desejaria sair logo dali. Ambiente desfavorável. E eu conversava incansavelmente com a barriga sobre as vantagens de se viver aqui…

O parto dos gêmeos - Parte 3 (final)

Depois de finalizar a burocracia da internação, fomos finalmente para o quarto onde ficamos acompanhando as contrações que estavam mais ou menos de 3 em 3 minutos. E assim seguiram até 5h da manhã quando tive uma parada de progressão. Parou. Tudo. Eu não sentia mais absolutamente nada. Lembro-me bem do medo. Medo de chegar até ali e acabar morrendo na praia. Eu estava então com 5 cm de dilatação. Voltar para casa não era mais possível. "- Só sairemos desse hospital com os bebês nos braços.", falou Dra. Caren. Juan ficou super ansioso com isso! Eu e Taíza começamos a caminhar pelo hospital, subimos e descemos as escadas. Todos olhavam para nós. Eu devia ser a maluca do parto normal de gêmeos. Chamamos uma acunpunturista para fazer uma sessão de indução. Taíza deu uma saída para preparar um chá especial pra mim, tomar um banho e trazer mais óleo de rícino pra eu tomar. E nada acontecia. Eu não sentia mais nada.




Já por volta das 15h30 do dia 18/09, após 10h esperando o retorno d…

Eu sou gorda?

Eu nem sei quantas vezes devo ter feito essa pergunta à minha mãe. Nem sei se a fiz um dia. Lembro de me olhar no espelho e ter uma única certeza... eu era gorda. Aliás, era essa a única forma de me magoar com palavras (e meus irmãos sabiam bem disso, valeu galera!!). Já fiz dietas loucas, já fiquei sem comer para compensar, já chorei litros porque o espelho era mau comigo. Sofri horrores a minha infância inteira por conta da barriga. Minhas amigas sempre eram baixinhas e magrinhas... eu sempre fui grande, larga, forte. Vendo as fotos antigas nem me acho gorda. Cheinha, talvez. Mas o bullying (agora que tem nome bonito não vou deixar de usar) sofrido por anos deixou marcas que me acompanham e ainda me assombram.
Depois que me tornei mãe da Júlia meu maior medo era que ela passasse pelo o que passei.
Com 1 mês e meio de vida Júlia começou a tomar complemento, pois eu não tinha leite (e nem informação) suficiente. Ela rapidamente ganhou peso e desde então sua barriguinha se mostrou salien…