Pular para o conteúdo principal

Vacinas: um mal realmente necessário?

Ontem fui vacinar Joana mais uma vez. Comemorei por ser a última dose da tetra que sempre dá reação de febre e dor local na minha pequena. Hoje, diante do jeitinho manhoso dela  (reação), comecei a refletir novamente sobre a necessidade da vacina. Querendo ou não, a favor ou contra, as vacinas são uma agressão ao nosso organismo. Sou do time das pessoas que no fundo não gostam, mas que não tem peito o suficiente para ir contra uma maré tão forte. Afinal, vacina é lei e pronto.

Mas... por gostar muito de uma boa prosa e por reprovar decisões alienadas resolvi pesquisar. Meu intuito - juro - era acalmar meu coração e chegar à conclusão de que "é só uma picadinha, mas é pro seu bem" não é uma falácia. Eis que arrumei um gorila atrás da minha orelha, porque pulga é pequeno demais.

Pouco é falado sobre as vacinas. Os médicos não orientam (porque vacina é lei) e porque foram ensinados assim. Eu, felizmente, já fui orientada pela médica das minhas filhas quanto ao perigo da vacinação excessiva. Muito por alto... ela não entrou em detalhes (porque vacina é lei), mas me aconselhou a administrar apenas as vacinas do cartão. Ignorar as campanhas e as vacinas oferecidas nas clínicas particulares. Acontece que as vacinas possuem elementos químicos tóxicos e existem estudos que relacionam as vacinas até ao autismo, à esquizofrenia e às doenças neuro degenerativas. Além disso, existe toda uma politicagem por trás que ganha amedrontando e manipulando a população.

Bom, ler esses textos me faz pensar. Muito. Acho importante nos deslocarmos da nossa zona de conforto da ignorância para um lugar de questionamento porque é assim que funciona a arte de conhecer e de formar opinião. Dessa forma, não corremos o risco de agir como os macacos.

Por saber que tenho muito ainda a pesquisar, ler, perguntar, me informar... apenas estou certa de que ainda não decidi nada sobre o assunto. Fica a dúvida por enquanto. Mas a dúvida já é o começo.

Comentários

  1. Oi Fabiana. Concordo com voce em alguns pontos, realmente acho que algumas vacinas são meramente para encher os bolsos de certos laboratórios, como foi na epoca do virus suina. Eu mesmo tomei a vacina, mas me arrependi de ter vacinado. Mas tem certas vacinas que são dadas em crianças que realmente são beneficas para o nossos bebes como a Polio. Tem campanha para vacinação da gripe e ainda estou pensando se vou levar minha bebe para tomar essa vacina.

    Beijos
    Ana

    ResponderExcluir
  2. Ola,

    Adorei seu blog e ja estou seguindo!

    Pois é menina, sou meio contra também, digo meio pois vacinei a minha, de um aninho, melhor prevenir!

    Quando puder me visite!

    Beijos

    Talitah Sampaio

    ResponderExcluir
  3. Tio google é bom mas tem que ter cuidado. Todo mundo pode escrever o que quiser como verdade.
    Sempre que penso em vacinas eu lembro da pólio e o quanto ela aterrorizava as mães. Saber que esse mal não existe mais por aqui é um alivio.
    O numero de vacinas aumenta mais pq aumenta tb o numero de doenças, mutações de virus, novas bactérias. Claro que é uma industria por trás enriquecendo com isso. Mas não concordo com os radicais contra vacinas que dizem que tem que haver seleção natural, que o nosso organismo tem que se fortalecer contrar as doenças. Não quero que meu filho seja um numero de estatistica. A cada agulhada ficamos com medo, mas ainda sim me sinto mais segura. Pelo menos até agora. Rs
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Ai que medo, Fabiana!! A Helena está prestes a tomar suas primeiras vacinas... Quais você deu quando ela era pequenininha? Helena faz 3 meses dia 15 e a primeira rodada está marcada para o dia 20 (sao 7 vacinas de uma vez!)!

    Beijo

    Karen
    http://multiplicado-por-dois.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Oi, Fabiana,
    meu pediatra orienta para não darmos muitas vacinas de uma só vez. Certa ocasião, queriam dar uma "hepta" e mais duas em um só dia, não deixei. Nove vacinas, nove sobrecargas no organismo da criança. No posto de saúde, dizem: "aproveita, que chora tudo só uma vez". Não concordo. Então, parcelo as imunizações, guardo sempre intervalos mínimos de 15 dias e nunca dou quando eles estão doentinhos, mesmo que atrase um pouco o calendário. Quanto às vacinas particulares, só com orientação expressa do pediatra.
    Pouco é falado sobre as vacinas porque é uma questão de saúde pública. As campanhas são úteis porque em muitas vezes é a única chance de o Estado acompanhar a saúde das crianças. Então, existe uma generalização por baixo.
    Acho a conscientização válida: as vacinas são muitíssimo importantes, mas não são brincadeira.
    Beijo!
    Marusia
    http://maeperfeita.wordpress.com

    ResponderExcluir
  6. Oi Fabiana,
    Eu vacinei os meninos. Dei inclusive algumas vacinas de clínicas. Eu tinha lido sobre a contraindicação de algumas e fiquei assustada com a relação das vacinas com o autismo. Morri de medo. Mas acho que no final, ao menos as publicas são um "mal necessário".
    Um beijo,
    Ana
    http://www.mamainhavamula.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Diz o que achou, conte da sua experiência.
Comenta! Suas palavras me inspiram...

Postagens mais visitadas deste blog

Parto da Jade

Passei a gestação inteira dizendo que ela chegaria no mês de julho. Estratégia para aplacar a ansiedade alheia, já que doce espera sempre teve mais a ver com puta agonia pra mim. Não vou mentir, parece piada, mas não consigo curtir gravidez. Passo muito mal no início, depois fico mega prostrada, minha irritabilidade alcança níveis desumanos (pergunta lá pro marido!) e, por fim, engordo absurdamente. Não vejo graça. Lógico que tem o lado bom da coisa. Cabelos sedosos, filas preferenciais e, claro, o bebê que tá lá dentro. Quando os chutes não miram suas costelas, posso garantir, não há melhor sensação no planeta.
A DPP (data prevista pro parto), dia em que a gestação alcança 40 semanas, era 27 de junho. Eu tinha toda a fé do mundo que ela chegaria bem antes disso. Era tanto cansaço que rolava, uma impaciência tão grande da minha pessoa, que o bebê obviamente desejaria sair logo dali. Ambiente desfavorável. E eu conversava incansavelmente com a barriga sobre as vantagens de se viver aqui…

O parto dos gêmeos - Parte 3 (final)

Depois de finalizar a burocracia da internação, fomos finalmente para o quarto onde ficamos acompanhando as contrações que estavam mais ou menos de 3 em 3 minutos. E assim seguiram até 5h da manhã quando tive uma parada de progressão. Parou. Tudo. Eu não sentia mais absolutamente nada. Lembro-me bem do medo. Medo de chegar até ali e acabar morrendo na praia. Eu estava então com 5 cm de dilatação. Voltar para casa não era mais possível. "- Só sairemos desse hospital com os bebês nos braços.", falou Dra. Caren. Juan ficou super ansioso com isso! Eu e Taíza começamos a caminhar pelo hospital, subimos e descemos as escadas. Todos olhavam para nós. Eu devia ser a maluca do parto normal de gêmeos. Chamamos uma acunpunturista para fazer uma sessão de indução. Taíza deu uma saída para preparar um chá especial pra mim, tomar um banho e trazer mais óleo de rícino pra eu tomar. E nada acontecia. Eu não sentia mais nada.




Já por volta das 15h30 do dia 18/09, após 10h esperando o retorno d…

Eu sou gorda?

Eu nem sei quantas vezes devo ter feito essa pergunta à minha mãe. Nem sei se a fiz um dia. Lembro de me olhar no espelho e ter uma única certeza... eu era gorda. Aliás, era essa a única forma de me magoar com palavras (e meus irmãos sabiam bem disso, valeu galera!!). Já fiz dietas loucas, já fiquei sem comer para compensar, já chorei litros porque o espelho era mau comigo. Sofri horrores a minha infância inteira por conta da barriga. Minhas amigas sempre eram baixinhas e magrinhas... eu sempre fui grande, larga, forte. Vendo as fotos antigas nem me acho gorda. Cheinha, talvez. Mas o bullying (agora que tem nome bonito não vou deixar de usar) sofrido por anos deixou marcas que me acompanham e ainda me assombram.
Depois que me tornei mãe da Júlia meu maior medo era que ela passasse pelo o que passei.
Com 1 mês e meio de vida Júlia começou a tomar complemento, pois eu não tinha leite (e nem informação) suficiente. Ela rapidamente ganhou peso e desde então sua barriguinha se mostrou salien…