Pular para o conteúdo principal

Sugestão de leitura: Eu Sou Máximo, O Gato Isso É Fato

Toda semana a Júlia pode pegar até 4 livros na biblioteca da escola. Sempre tem aquele que a gente gosta mais e repete todas as noites na "hora do livro".

*Abre parênteses* Desde que me tornei mãe sempre fui incentivada pela minha (mãe) a brincar com minha filha. Brincar mesmo... tipo sentar no chão e deixar a minha criança se divertir. Acontece que minha criança passou muuuuito tempo adormecida e  isso não era tão fácil para mim. Acabava delegando a função ao pai, à avó (já que deu a ideia, né?!rs) e, na época, à babá (que não temos mais). Porém, a culpa estava sempre presente e eu continuava me cobrando. Até porque tinha tido um modelo de mãe dessas que se desdobram para divertir os filhos. Eis que descobri o que adoro fazer com ela. Ler. É uma diversão só! Faço vozes e leio o mesmo livro várias vezes. Gosto das histórias mais longas e da docilidade das poesias infantis. Vamos ler, então?! *Fecha parênteses*

O escolhido da semana foi:

Imagem do Google


O livro é o máximo! Escrito por Debby Carman em versos rimados ele aborda um assunto bacana que atinge direto a autoestima das crianças. Gostar de nós como somos... sem nos importar com aparências e sim com nossa essência de fato!

Tema super oportuno lá em casa...

Comentários

  1. Oi Fabiana,
    Obrigada pela visita. Eu amo brincar, soltar a minha criança, sentar no chão, desenhar. Também adoro ler para as minhas filhas e com as minhas filhas.
    Elas também trazem livros da biblioteca da escola.


    Eu tento colocar toda semana um post com as dicas com os livros que lemos na semana e mais gostamos.
    Como tenho muitos livros e pouco espaço para guardá-los, toda semana eu escolho um comentário e presentei com um dos livros do post. Faço a escolha pela minha intuição mesmo. Sabe, quando leio e sinto que a pessoa iria ficar feliz em receber o livro.
    Se você quiser ver os livros dessa semana, estão aqui nesse post: http://inventandocomamamae.blogspot.com/2011/04/leituras-da-semana-ciranda-do-livro.html

    Beijos
    Chris
    http://inventandocomamamae.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Adorei a dica do livro!
    Esse assunto é muito importante abordar com as crianças mesmo.
    E quanto a brincar junto lá em casa era diferente. Meu pai fazia essa parte.
    Minha mãe tava sempre muito ocupada com a casa e cansada.
    Foi dificil para mim tb.
    Mas aos poucos vou descobrindo brincadeiras que seja legal para os dois.
    Adoramos por exemplo jogos de tabuleiro, jogo da memoria, quebra-cabeças.
    Claro que bate aqueles dias que não dá.
    Mas sem neuras, sem culpa.
    Contar historias tb pode virar uma grande brincadeira. Se vestir do personagem e cair na fantasia. Tenta. Aos poucos a gente aprende a se soltar :)
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Também adoro ler para a Sophia! E vivo procurando livros infantis brasileiros bacanas (pois não moro no Brasil), mas dificilmente encontro... Vou anotar esta dica então! Pra que faixa etária vocÊ recomenda?

    ResponderExcluir
  4. Bela dica. Vou anota-lá. Fiquei arrasada qndo vc me disse q não consegue entrar lá no blog! Tentou os dois endereços? E o www.roteirobabybrasilia.blogspot.com Tenta os 3.. Please. Tem q funcionar. Aguardo sua chegada por lá. Bjim

    ResponderExcluir
  5. Adoro dicas de livros! Já anotei para a Carol!
    Um beijão!
    Gabi
    minhas3filhaslindas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Oi, Fabiana,
    Obrigada pela sua visitinha lá no Saco de Farinha. Quando vi o título do seu blog, achei q vc tinha 4 filhos ;)

    ResponderExcluir
  7. Oi Fabi,
    adorei a dica do livro - amo livros rimados: são ótimos para a alfabetização.

    também sou como você, não fico muito à vontade brincando mesmo, então acho outras diversões: ler, conversar, jogar (único brincar que gosto).

    obrigada pelas visitas e pelos comentários...

    beijoca

    ResponderExcluir
  8. Oi Fabiana, seu blog é lindo...parabéns!
    Eu amo ler, sempre gostei, sempre li para meus filhos (todos os 3), mas é interessante, meu filho mais velho não gosta de leitura mesmo com incentivo da mãe, só lê quando é necessário. minha filha do meio já é totalmente diferente, ama ler assim como eu, quando tinha 8 anos já havia lido 67 livros, acho razoável...até já escreveu 2 livros (não publicados) um dia vou postá-los no meu blog, hoje aos 12 anos lê vários, é como um vício. A minha pequena de 2 anos, não tem nuita paciência para ler, fica quieta as duas primeiras páginas, aí já era!!! mas ela ama desenhar e ver meus desenhos, então faço isso, leio algumas páginas e logo passamos para os desenhos.
    s livros da Babete Colle são excelentes!
    Se quiser fazer uma visitinha ao meu blog:
    http://lu-e-eles.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. OI Fabiana,
    passeiaqui para ver se tinha novidades.
    Hoje li para a Sofia um livro que ela trouxe da biblioteca da escola que foi bemm legal: O caso do pote quebrado. Ainda vou postar as dicas de leitura dessa semana.

    Também adorei a ideia da Ciranda estou ansiosa para ver se vai dar certo mesmo. Espero que ninguém fure no meio do caminho.
    beijos
    Chris
    http://inventandocomamamae.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  10. Ah, as formas de cipcake, eu compro no site da Barradoce. O preço é ótimo, comparado comos daqui do Rio, e eles esntregam direitinho.
    Depois publica uma das receitas pra gente ver.
    beijos
    Chris
    http://inventandocomamamae.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Diz o que achou, conte da sua experiência.
Comenta! Suas palavras me inspiram...

Postagens mais visitadas deste blog

Parto da Jade

Passei a gestação inteira dizendo que ela chegaria no mês de julho. Estratégia para aplacar a ansiedade alheia, já que doce espera sempre teve mais a ver com puta agonia pra mim. Não vou mentir, parece piada, mas não consigo curtir gravidez. Passo muito mal no início, depois fico mega prostrada, minha irritabilidade alcança níveis desumanos (pergunta lá pro marido!) e, por fim, engordo absurdamente. Não vejo graça. Lógico que tem o lado bom da coisa. Cabelos sedosos, filas preferenciais e, claro, o bebê que tá lá dentro. Quando os chutes não miram suas costelas, posso garantir, não há melhor sensação no planeta.
A DPP (data prevista pro parto), dia em que a gestação alcança 40 semanas, era 27 de junho. Eu tinha toda a fé do mundo que ela chegaria bem antes disso. Era tanto cansaço que rolava, uma impaciência tão grande da minha pessoa, que o bebê obviamente desejaria sair logo dali. Ambiente desfavorável. E eu conversava incansavelmente com a barriga sobre as vantagens de se viver aqui…

O parto dos gêmeos - Parte 3 (final)

Depois de finalizar a burocracia da internação, fomos finalmente para o quarto onde ficamos acompanhando as contrações que estavam mais ou menos de 3 em 3 minutos. E assim seguiram até 5h da manhã quando tive uma parada de progressão. Parou. Tudo. Eu não sentia mais absolutamente nada. Lembro-me bem do medo. Medo de chegar até ali e acabar morrendo na praia. Eu estava então com 5 cm de dilatação. Voltar para casa não era mais possível. "- Só sairemos desse hospital com os bebês nos braços.", falou Dra. Caren. Juan ficou super ansioso com isso! Eu e Taíza começamos a caminhar pelo hospital, subimos e descemos as escadas. Todos olhavam para nós. Eu devia ser a maluca do parto normal de gêmeos. Chamamos uma acunpunturista para fazer uma sessão de indução. Taíza deu uma saída para preparar um chá especial pra mim, tomar um banho e trazer mais óleo de rícino pra eu tomar. E nada acontecia. Eu não sentia mais nada.




Já por volta das 15h30 do dia 18/09, após 10h esperando o retorno d…

Eu sou gorda?

Eu nem sei quantas vezes devo ter feito essa pergunta à minha mãe. Nem sei se a fiz um dia. Lembro de me olhar no espelho e ter uma única certeza... eu era gorda. Aliás, era essa a única forma de me magoar com palavras (e meus irmãos sabiam bem disso, valeu galera!!). Já fiz dietas loucas, já fiquei sem comer para compensar, já chorei litros porque o espelho era mau comigo. Sofri horrores a minha infância inteira por conta da barriga. Minhas amigas sempre eram baixinhas e magrinhas... eu sempre fui grande, larga, forte. Vendo as fotos antigas nem me acho gorda. Cheinha, talvez. Mas o bullying (agora que tem nome bonito não vou deixar de usar) sofrido por anos deixou marcas que me acompanham e ainda me assombram.
Depois que me tornei mãe da Júlia meu maior medo era que ela passasse pelo o que passei.
Com 1 mês e meio de vida Júlia começou a tomar complemento, pois eu não tinha leite (e nem informação) suficiente. Ela rapidamente ganhou peso e desde então sua barriguinha se mostrou salien…