Pular para o conteúdo principal

Homeopatia

Resolvi falar desse tema depois de uma conversa que surgiu numa lista de mães aqui de Brasília da qual participo. Percebo que as pessoas estão bem mais "abertas" para a proposta da homeopatia e o foco mudou de "acreditar" para "funciona, mas a longo prazo". Já é um passo, penso.

Minha mãe conheceu a homeopatia depois de muito sofrer com a asma do meu irmão mais velho, na época com 2 anos. Quando nasci ela já era adepta. A asma do meu irmão ficou apenas na memória. Poucos "acreditavam" na homeopatia e, apesar de não ser algo que necessite de prova de fé, ainda existe muita resistência e falta de informação sobre o assunto.

Importante ressaltar que não sou especialista, não sou médica e não trabalho com homeopatia. Apenas fui criada com homeopatia e hoje crio as minhas filhas da mesma maneira por opção. Já usei e tornarei a usar antibióticos ou qualquer outro remédio alopático que se faça necessário em alguma situação pontual específica. Quando é assim, o próprio homeopata pode fazer a prescrição. O que acho perigoso é o uso constante de drogas que - como tal - precisam de dosagens cada vez maiores para surtir efeito e, muitas vezes, para cuidar de um sintoma acaba se criando outro... e o efeito bola de neve segue.

Imagem do Google
A homeopatia tem como foco o indivíduo e não a doença. Dessa forma, geralmente, os homeopatas não buscam diagnosticar a causa de um sintoma e, sim, reequilibrar a força vital da pessoa doente. Para isso é fundamental que o médico tenha sensibilidade para observar o paciente sem julgamentos. Além de  saber olhar para o que está detrás das palavras. Por isso a consulta com homeopatas tende a ser mais demorada. A relação de confiança entre médico e paciente é primordial para que a pessoa se sinta confortável em relatar - sem censuras - sintomas e demais informações observadas. Afinal, o corpo fala. A função da homeopatia é ajudar o próprio organismo a encontrar harmonia de forma natural.


A preparação dos remédios homeopáticos consiste em misturar pequenas quantidades das substâncias ativas em muita água (o álcool auxilia na conservação do medicamento) e agitar bastante. A potencialização (como é denominado esse processo) é que vai fazer despertar as propriedades das substâncias. Essas substâncias, se não diluídas, trariam a uma pessoa saudável os sintomas a que pretendem estabilizar (Lei da Semelhança). Porém, quanto mais diluídas maior a eficácia no tratamento.

Vale ressaltar certos cuidados que se deve ter com os medicamentos homeopáticos. Para tomar glóbulos e tabletes deve-se utilizar a tampa do medicamento evitando o contato com as mãos. No caso das gotas, não colocar o conta-gotas em contato direto com a boca, pois a saliva pode contaminar o medicamento. Guarde os remédios em local protegido do sol, calor, humidade e distante de eletrônicos (celulares, microondas, computador) e de substâncias de cheiro forte (cânfora, cigarro, perfumes, mentol). Deve-se evitar o uso de produtos que contenham essas substâncias quando se estiver fazendo uso de medicamentos homeopáticos. Por exemplo, não utilizar Vick  ou pastilhas de menta simultâneamente ao tratamento homeopático.  


Existem diferentes linhas ideológicas na homeopatia, são elas:
-Unicismo: um único medicamento é prescrito por vez afim de descobrir qual é a melhor substância para o paciente;
-Pluralismo: dois medicamentos complementares são administrados em horários alternados;

-Complexismo: são prescritas duas ou mais substâncias que podem ser administradas ao mesmo tempo;
-Organicismo: muito se assemelha à alopatia, pois o medicamento é prescrito de acordo com o órgão doente.

A homeopatia chegou ao Brasil em 1840 trazida pelo francês Dr.Bento Mure. Mas apenas em 1980 o Conselho Federal de Medicina a reconheceu como especialidade médica. Há alguns anos a homeopatia vem sendo incentivada e implementada, aos poucos, na rede pública através do Sistema Único de Saúde - SUS. Mais informações aqui, aqui e aqui.



Comentários

  1. Adorei o post. Estou começando a pesquisar sobre a homeopatia e considerar como possível tratamento para minhas filhas. Texto bem elaborado!
    Beijo
    Priscilla

    ResponderExcluir
  2. menina, que post completíssimo!

    adorei muito!

    também sou adepta da homeopatia, bem com acupuntura e faço uso da primeira desde muito pequena.
    foi ela que me curou de uma bronquite alérgica quando antibióticos pareciam muito agressivos para o tratamento.

    funcionou e continua funcionando sempre comigo.
    não a longo prazo, mas a prazo médio, mesmo.

    beijos

    ResponderExcluir
  3. Oi, Fabiana!
    Também fui criada com homeopatia. Meu pediatra hoje é pediatra das crianças. Sabe o que eu mais amo no método? É eficaz, com suavidade. E, ao contrário do senso comum, apesar das chamadas "doses homeopáticas" e da frequência com que devem ser dadas, o resultado é rápido.
    Como uma coisa tão diluída faz tanto efeito? Não sei explicar, mas atesto o sucesso.
    A informação sobre cânfora, eucalipto e menta é superbacana, e inclui creme dental, pasta de dente e chiclete. Quando meu médico me explicou, muita coisa fez sentido (eu era uma viciada em Vick... chuif).
    Beijo!
    Marusia

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Diz o que achou, conte da sua experiência.
Comenta! Suas palavras me inspiram...

Postagens mais visitadas deste blog

Parto da Jade

Passei a gestação inteira dizendo que ela chegaria no mês de julho. Estratégia para aplacar a ansiedade alheia, já que doce espera sempre teve mais a ver com puta agonia pra mim. Não vou mentir, parece piada, mas não consigo curtir gravidez. Passo muito mal no início, depois fico mega prostrada, minha irritabilidade alcança níveis desumanos (pergunta lá pro marido!) e, por fim, engordo absurdamente. Não vejo graça. Lógico que tem o lado bom da coisa. Cabelos sedosos, filas preferenciais e, claro, o bebê que tá lá dentro. Quando os chutes não miram suas costelas, posso garantir, não há melhor sensação no planeta.
A DPP (data prevista pro parto), dia em que a gestação alcança 40 semanas, era 27 de junho. Eu tinha toda a fé do mundo que ela chegaria bem antes disso. Era tanto cansaço que rolava, uma impaciência tão grande da minha pessoa, que o bebê obviamente desejaria sair logo dali. Ambiente desfavorável. E eu conversava incansavelmente com a barriga sobre as vantagens de se viver aqui…

O parto dos gêmeos - Parte 3 (final)

Depois de finalizar a burocracia da internação, fomos finalmente para o quarto onde ficamos acompanhando as contrações que estavam mais ou menos de 3 em 3 minutos. E assim seguiram até 5h da manhã quando tive uma parada de progressão. Parou. Tudo. Eu não sentia mais absolutamente nada. Lembro-me bem do medo. Medo de chegar até ali e acabar morrendo na praia. Eu estava então com 5 cm de dilatação. Voltar para casa não era mais possível. "- Só sairemos desse hospital com os bebês nos braços.", falou Dra. Caren. Juan ficou super ansioso com isso! Eu e Taíza começamos a caminhar pelo hospital, subimos e descemos as escadas. Todos olhavam para nós. Eu devia ser a maluca do parto normal de gêmeos. Chamamos uma acunpunturista para fazer uma sessão de indução. Taíza deu uma saída para preparar um chá especial pra mim, tomar um banho e trazer mais óleo de rícino pra eu tomar. E nada acontecia. Eu não sentia mais nada.




Já por volta das 15h30 do dia 18/09, após 10h esperando o retorno d…

Eu sou gorda?

Eu nem sei quantas vezes devo ter feito essa pergunta à minha mãe. Nem sei se a fiz um dia. Lembro de me olhar no espelho e ter uma única certeza... eu era gorda. Aliás, era essa a única forma de me magoar com palavras (e meus irmãos sabiam bem disso, valeu galera!!). Já fiz dietas loucas, já fiquei sem comer para compensar, já chorei litros porque o espelho era mau comigo. Sofri horrores a minha infância inteira por conta da barriga. Minhas amigas sempre eram baixinhas e magrinhas... eu sempre fui grande, larga, forte. Vendo as fotos antigas nem me acho gorda. Cheinha, talvez. Mas o bullying (agora que tem nome bonito não vou deixar de usar) sofrido por anos deixou marcas que me acompanham e ainda me assombram.
Depois que me tornei mãe da Júlia meu maior medo era que ela passasse pelo o que passei.
Com 1 mês e meio de vida Júlia começou a tomar complemento, pois eu não tinha leite (e nem informação) suficiente. Ela rapidamente ganhou peso e desde então sua barriguinha se mostrou salien…