Pular para o conteúdo principal

Consulta, hormônios, resfriado e roupas manchadas

No último dia 30, eu e a barriga fomos à consulta com o obstetra. Já não acordei muito bem nesse dia, confesso, mas a conversa com o doutor me irritou profundamente. Primeiro: O que está acontecendo com as mulheres que não acham mais normal ter um parto normal??? Sim, porque as grávidas tem culpa no cartório também! Será pura ansiedade ou será uma necessidade de controle tão grande que elas resolvem bancar Deus marcando a data e a hora do nascimento de seus filhos?! A culpa deve ser dos astrólogos e numerólogos... só pode. Será medo de sentir dor??? Eu estou farta de ser encarada pelos médicos obstetras com cara de "ET" me perguntando se eu quero parto normal. Brincadeira... dessa vez achei que tinha me livrado dessa... mas não. Aconteceu. De novo. Segundo: Joana parece que será maior que a irmã. (????!!!????) Sim... vc leu certo e eu escrevi certo. O médico é que tá doido. A explicação dele é que cada bebê tem um desenvolvimento gestacional diferente e que existem aqueles que resolvem crescer só no final da estada no ventre. A Joana seria um exemplo. Por todo o tempo esteve no percentil 50, mas agora tá "querendo passar pra turminha de cima." Palavras do doutor. O mais hilário (absurdo!!) foi ouvir que o fato dela ser um bebê grandão seria mais um complicador para o parto normal. E eu ainda não sei ler, nunca me informei sobre o assunto e não tenho 1,74m de altura (sem citar as ancas largas). Estou achando mesmo é que aquele senhor não quer correr o risco de perder a programação da semana do saco cheio. Em meio a tudo isso (depois de xingar muito) resolvi acalmar as tensões e orar pra Papai do céu trazer minha bonequinha com muita saúde! É o que importa.


Sábado que vem alcançamos a 34ª semana e entramos oficialmente no nono mês. Reta final total! Enfim! Meu corpo está muito abalado com os 19kg ganhos até agora e meus pés... bom, melhor nem falar neles. Coitados. A barriga parece estar um pouco mais baixa e já não tenho mais problemas com chutes nas costelas. O sono fora do normal começou a aparecer e as costas (lombar) nunca pararam de doer. Apesar de tudo isso, o humor anda bom e sinto o passar de cada semana como uma vitória... lembrando dos sustos... por tanto tempo achei que poderíamos não chegar até aqui. Difícil anda conter as emoções! Choro com notícia na TV, choro com uma buzinada no trânsito (pra mim, claro!), choro de cansaço, choro assistindo o sono da Juju, choro. Afinal, Brasília está muito seca e eu preciso contribuir com a umidade de alguma forma.


Lembro-me bem que no final da gravidez da Júlia fiquei doente. Lembro-me bem de no blog que fiz durante a gravidez da Júlia ter dito que não era justo grávidas ficarem gripadas. Aconteceu. De novo. Estou com um resfriado, gripe, sinusite ou qualquer outra coisa que nos deixa com o nariz escorrendo durante o dia todo e entupido durante a noite toda. Estou fanha e sentindo ardência nos olhos. Às vezes a cabeça dói e espirrar dói a barriga. Mas como hoje já é o terceiro dia deve estar passando... comigo é assim... uma semana e nada mais!


Eu tinha que separar um post para falar só sobre meu novo "eu"... eu - dona de casa. Fica anotado... esse assunto merece todo destaque! Só que enquanto o post não vem vou contando. Fui lavar algumas coisinhas da Joana... tá mais que na hora de deixar tudo pronto. Mas eu sou uma perdição pra lavar roupa! Sigo todas as instruções das donas de casa mais experientes e mesmo assim as bichas tendem a manchar. Manchei um lençolzinho e um cobertorzinho da Joana... que tristeza... mas foi coisa pouca, dá pra usar. Ontem coloquei sabão demais na máquina... quando vi tinha espuma para todos os lados da cozinha. E o marido assistiu a cena com um misto de pena e outro de preocupação. Pediu que eu treinasse bastante com minhas roupas antes de lavar as dele (risos). Grande apoio, amor! Obrigada! Aproveitei a problemática e pesquisei um pouquinho sobre manchas e como tirá-las e encontrei este site que dá umas dicas muito legais. Mas tirando a dificuldade com o módulo "lavadora", eu estou nota 10 no curso Dona de Casa. Quem me conhecia antes dessa versão deve estar mesmo admirado (né, mãe?!). E adoro!! Lavar a louça, tirar os lixos, arrumar as camas, organizar brinquedos, esfregar roupas e passar pano tem sido as melhores distrações nos últimos tempos. Pena que a gente não ganha pra isso...


Contagem regressiva: faltam 6 semanas...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Parto da Jade

Passei a gestação inteira dizendo que ela chegaria no mês de julho. Estratégia para aplacar a ansiedade alheia, já que doce espera sempre teve mais a ver com puta agonia pra mim. Não vou mentir, parece piada, mas não consigo curtir gravidez. Passo muito mal no início, depois fico mega prostrada, minha irritabilidade alcança níveis desumanos (pergunta lá pro marido!) e, por fim, engordo absurdamente. Não vejo graça. Lógico que tem o lado bom da coisa. Cabelos sedosos, filas preferenciais e, claro, o bebê que tá lá dentro. Quando os chutes não miram suas costelas, posso garantir, não há melhor sensação no planeta.
A DPP (data prevista pro parto), dia em que a gestação alcança 40 semanas, era 27 de junho. Eu tinha toda a fé do mundo que ela chegaria bem antes disso. Era tanto cansaço que rolava, uma impaciência tão grande da minha pessoa, que o bebê obviamente desejaria sair logo dali. Ambiente desfavorável. E eu conversava incansavelmente com a barriga sobre as vantagens de se viver aqui…

O parto dos gêmeos - Parte 3 (final)

Depois de finalizar a burocracia da internação, fomos finalmente para o quarto onde ficamos acompanhando as contrações que estavam mais ou menos de 3 em 3 minutos. E assim seguiram até 5h da manhã quando tive uma parada de progressão. Parou. Tudo. Eu não sentia mais absolutamente nada. Lembro-me bem do medo. Medo de chegar até ali e acabar morrendo na praia. Eu estava então com 5 cm de dilatação. Voltar para casa não era mais possível. "- Só sairemos desse hospital com os bebês nos braços.", falou Dra. Caren. Juan ficou super ansioso com isso! Eu e Taíza começamos a caminhar pelo hospital, subimos e descemos as escadas. Todos olhavam para nós. Eu devia ser a maluca do parto normal de gêmeos. Chamamos uma acunpunturista para fazer uma sessão de indução. Taíza deu uma saída para preparar um chá especial pra mim, tomar um banho e trazer mais óleo de rícino pra eu tomar. E nada acontecia. Eu não sentia mais nada.




Já por volta das 15h30 do dia 18/09, após 10h esperando o retorno d…

Eu sou gorda?

Eu nem sei quantas vezes devo ter feito essa pergunta à minha mãe. Nem sei se a fiz um dia. Lembro de me olhar no espelho e ter uma única certeza... eu era gorda. Aliás, era essa a única forma de me magoar com palavras (e meus irmãos sabiam bem disso, valeu galera!!). Já fiz dietas loucas, já fiquei sem comer para compensar, já chorei litros porque o espelho era mau comigo. Sofri horrores a minha infância inteira por conta da barriga. Minhas amigas sempre eram baixinhas e magrinhas... eu sempre fui grande, larga, forte. Vendo as fotos antigas nem me acho gorda. Cheinha, talvez. Mas o bullying (agora que tem nome bonito não vou deixar de usar) sofrido por anos deixou marcas que me acompanham e ainda me assombram.
Depois que me tornei mãe da Júlia meu maior medo era que ela passasse pelo o que passei.
Com 1 mês e meio de vida Júlia começou a tomar complemento, pois eu não tinha leite (e nem informação) suficiente. Ela rapidamente ganhou peso e desde então sua barriguinha se mostrou salien…